Pero Vaz de Caminha

Print Friendly, PDF & Email

Pero Vaz de Caminha (Oswald de Andrade)
a descoberta

Seguimos nosso caminho por este mar de longo
Até a oitava da Páscoa
Topamos aves
E houvemos vista de terra

os selvagens

Mostraram-lhes uma galinha
Quase haviam medo dela
E não queriam por a mão
E depois a tomaram como espantados

primeiro chá

Depois de dançarem
Diogo Dias
Fez o salto real

as meninas da gare

Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha.

Publicações relacionadas

A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...
Stella Stella (Machado de Assis) Já raro e mais escasso A noite arrasta o manto, ...
Sete poemas portugueses (4) Sete poemas portugueses (4) (Ferreira Gullar) Nada vos oferto além destas m...
Canciones a Guiomar Canciones a Guiomar (Antonio Machado) I No sabía si era un limón amaril...

Deixe uma resposta