Queixas Noturnas

Print Friendly, PDF & Email

Queixas Noturnas (Augusto dos Anjos)

Quem foi que viu a minha Dor chorando?!
Saio. Minh’alma sai agoniada.
Andam monstros sombrios pela estrada
E pela estrada, entre estes monstros, ando!

Não trago sobre a túnica fingida
As insígnias medonhas do infeliz
Como os falsos mendigos de Paris
Na atra rua de Santa Margarida.

O quadro de aflições que me consomem
O próprio Pedro Américo não pinta…
Para pintá-lo, era preciso a tinta
Feita de todos os tormentos do homem!

Como um ladrão sentado numa ponte
Espera alguém, armado de arcabuz.
Na ânsia incoercível de roubar a luz.
Estou à espera de que o Sol desponte!

Bati nas pedras dum tormento rude
E a minha mágoa de hoje é tão intensa
Que eu penso que a Alegria é uma doença
E a Tristeza é minha única saúde.

Publicações relacionadas

Azul sobre amarelo, maravilha ... Azul sobre amarelo, maravilha e roxo (Adélia Prado) Desejo, como quem sente f...
Preceito 07 Preceito 07 (Gregório de Matos) Já pelo sétimo entrando sem alterar o ton...
A la muerte de Rubén Darío A morte de Rubén Darío (Antonio Machado) Si era toda en tu verso la armonía d...
A Aeronave A Aeronave (Augusto dos Anjos) Cindindo a vastidão do Azul profundo, Sulcand...

Deixe uma resposta