Queixas Noturnas

Print Friendly, PDF & Email

Queixas Noturnas (Augusto dos Anjos)

Quem foi que viu a minha Dor chorando?!
Saio. Minh’alma sai agoniada.
Andam monstros sombrios pela estrada
E pela estrada, entre estes monstros, ando!

Não trago sobre a túnica fingida
As insígnias medonhas do infeliz
Como os falsos mendigos de Paris
Na atra rua de Santa Margarida.

O quadro de aflições que me consomem
O próprio Pedro Américo não pinta…
Para pintá-lo, era preciso a tinta
Feita de todos os tormentos do homem!

Como um ladrão sentado numa ponte
Espera alguém, armado de arcabuz.
Na ânsia incoercível de roubar a luz.
Estou à espera de que o Sol desponte!

Bati nas pedras dum tormento rude
E a minha mágoa de hoje é tão intensa
Que eu penso que a Alegria é uma doença
E a Tristeza é minha única saúde.

Publicações relacionadas

Soube Soube (Bertold Brecht) Soube que Nas praças dizem de mim que durmo mal Meus...
Um pai-nosso latino-americano Um pai-nosso latino-americano (Mario Benedetti) ...
Poema Perto do Fim Poema Perto do Fim (Thiago de Mello A morte é indolor. O que dói nela é o n...
Dança do ventre Dança do ventre (Cruz e Souza) Torva, febril, torcicolosamente, N...

Deixe uma resposta