Queixas Noturnas

Print Friendly, PDF & Email

Queixas Noturnas (Augusto dos Anjos)

Quem foi que viu a minha Dor chorando?!
Saio. Minh’alma sai agoniada.
Andam monstros sombrios pela estrada
E pela estrada, entre estes monstros, ando!

Não trago sobre a túnica fingida
As insígnias medonhas do infeliz
Como os falsos mendigos de Paris
Na atra rua de Santa Margarida.

O quadro de aflições que me consomem
O próprio Pedro Américo não pinta…
Para pintá-lo, era preciso a tinta
Feita de todos os tormentos do homem!

Como um ladrão sentado numa ponte
Espera alguém, armado de arcabuz.
Na ânsia incoercível de roubar a luz.
Estou à espera de que o Sol desponte!

Bati nas pedras dum tormento rude
E a minha mágoa de hoje é tão intensa
Que eu penso que a Alegria é uma doença
E a Tristeza é minha única saúde.

Publicações relacionadas

La Saeta La Saeta (Antonio Machado) ¿Quién me presta una escalera, (Quem me empres...
Curriculum Curriculum (Mario Benedetti) El cuento es muy sencillo usted nace contemp...
Trégua Trégua (Adélia Prado) Hoje estou velha como quero ficar Sem nenhuma estridên...
Ustedes y nosotros Ustedes y nosotros (Mario Benedetti) Ustedes cuando aman exigen bienestar ...

Deixe uma resposta