Pedrinhas na janela

Print Friendly, PDF & Email

Pedrinhas na janela (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

a roberto e adelaida

De vez em quando a alegria
atira pedrinhas em minha janela
quer avisar-me que está lá esperando
mas hoje me sinto calmo
quase diria equânime
vou guardar a angústia em seu esconderijo
e logo estender-me de cara ao teto
que é uma posição galharda e cômoda
para filtrar notícias e acreditar nelas

quem sabe onde ficam minhas próximas pegadas
nem quando minha história vai ser computada
quem sabe que conselhos vou inventar ainda
e que atalho acharei para não segui-los

está certo não brincarei de despejo
não tatuarei a recordação com esquecimentos
muito fica por dizer e calar
e também ficam uvas para encher a boca

está bem me dou por persuadido
que a alegria não atire mais pedrinhas
abrirei a janela
abrirei a janela.

Publicações relacionadas

Poema Negro Poema Negro (Augusto dos Anjos) ...
Adivinanzas Adivinanzas (Nicolás Guillén) De West Indies Ltd. ...
Quando olho para mim não me pe... Quando olho para mim não me percebo (Álvaro de Campos) Quando olho para mim n...
Árvores do Alentejo Árvores do Alentejo (Florbela Espanca) Horas mortas... curvadas aos pés do Mo...

Deixe uma resposta