Pedrinhas na janela

Print Friendly, PDF & Email

Pedrinhas na janela (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

a roberto e adelaida

De vez em quando a alegria
atira pedrinhas em minha janela
quer avisar-me que está lá esperando
mas hoje me sinto calmo
quase diria equânime
vou guardar a angústia em seu esconderijo
e logo estender-me de cara ao teto
que é uma posição galharda e cômoda
para filtrar notícias e acreditar nelas

quem sabe onde ficam minhas próximas pegadas
nem quando minha história vai ser computada
quem sabe que conselhos vou inventar ainda
e que atalho acharei para não segui-los

está certo não brincarei de despejo
não tatuarei a recordação com esquecimentos
muito fica por dizer e calar
e também ficam uvas para encher a boca

está bem me dou por persuadido
que a alegria não atire mais pedrinhas
abrirei a janela
abrirei a janela.

Publicações relacionadas

Soledades I Soledades I (Antonio Machado) He andado muchos caminos, (Tenho andado mui...
Álvaro de Campos Álvaro de Campos (1889-1935) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: ...
La casada infiel La casada infiel (Federico Garcia Lorca) A Lydia Cabrera...
Quando eu Quando eu (Alberto Caeiro) Quando eu não te tinha Amava a Natureza como um ...

Deixe uma resposta