Pedrinhas na janela

Print Friendly, PDF & Email

Pedrinhas na janela (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

a roberto e adelaida

De vez em quando a alegria
atira pedrinhas em minha janela
quer avisar-me que está lá esperando
mas hoje me sinto calmo
quase diria equânime
vou guardar a angústia em seu esconderijo
e logo estender-me de cara ao teto
que é uma posição galharda e cômoda
para filtrar notícias e acreditar nelas

quem sabe onde ficam minhas próximas pegadas
nem quando minha história vai ser computada
quem sabe que conselhos vou inventar ainda
e que atalho acharei para não segui-los

está certo não brincarei de despejo
não tatuarei a recordação com esquecimentos
muito fica por dizer e calar
e também ficam uvas para encher a boca

está bem me dou por persuadido
que a alegria não atire mais pedrinhas
abrirei a janela
abrirei a janela.

Publicações relacionadas

Olá, Guardador de Rebanhos Olá, Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
Lendo Horácio Lendo Horácio (Bertold Brecht) Mesmo o diluvio Não durou eternamente. Veio ...
Poema do Milho Poema do Milho (Cora Coralina) Milho . .. Punhado plantado nos quintais. Ta...
O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...

Deixe uma resposta