Lésbia

Print Friendly, PDF & Email

Lésbia (Cruz e Souza)

Cróton selvagem, tinhorão lascivo,
Planta mortal, carnívora, sangrenta,
Da tua carne báquica rebenta
A vermelha explosão de um sangue vivo.

Nesse lábio mordente e convulsivo,
Ri, ri risadas de expressão violenta
O Amor, trágico e triste, e passe, lenta,
A morte, o espasmo gélido, aflitivo…

Lésbia nervosa, fascinante e doente,
Cruel e demoníaca serpente
Das flamejantes atracões do gozo.

Dos teus seios acídulos, amargos,
Fluem capros aromas e os letargos,
Os ópios de um luar tuberculoso…

Publicações relacionadas

A um poeta Saxônio A um poeta Saxônio (Jorge Luis Borges) Tradução Tu cuja carne, hoje disper...
Samba – canção Samba-canção (Ana Cristina Cesar) Tantos poemas que perdi. Tantos que ouvi, ...
Quando Está Frio Quando Está Frio (Alberto Caeiro) Quando está frio no tempo do frio, para mim...
Dos milagres Dos milagres (Mário Quintana) O milagre não é dar vida ao corpo extinto, Ou ...

Deixe uma resposta