Lésbia

Print Friendly, PDF & Email

Lésbia (Cruz e Souza)

Cróton selvagem, tinhorão lascivo,
Planta mortal, carnívora, sangrenta,
Da tua carne báquica rebenta
A vermelha explosão de um sangue vivo.

Nesse lábio mordente e convulsivo,
Ri, ri risadas de expressão violenta
O Amor, trágico e triste, e passe, lenta,
A morte, o espasmo gélido, aflitivo…

Lésbia nervosa, fascinante e doente,
Cruel e demoníaca serpente
Das flamejantes atracões do gozo.

Dos teus seios acídulos, amargos,
Fluem capros aromas e os letargos,
Os ópios de um luar tuberculoso…

Publicações relacionadas

Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...
Só (Florbela Espanca) Eu tenho pena da Lua! Tanta pena, coitadinha, Quando ...
O Pastor Amoroso O Pastor Amoroso (Alberto Caeiro) O pastor amoroso perdeu o cajado, ...

Deixe uma resposta