Brasil

Print Friendly, PDF & Email

Brasil (Oswald de Andrade)

O Zé Pereira chegou de caravela
E perguntou pro guarani da mata virgem
– Sois cristão?
– Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte
Teterê tetê Quizá Quizá Quecê!
Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu!
O negro zonzo saído da fornalha
Tomou a palavra e respondeu
– Sim pela graça de Deus
Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum!
E fizeram o Carnaval.

Publicações relacionadas

um bom poema um bom poema (Paulo Leminski) leva anos cinco jogando bola, mais cinco estu...
Terra dos homens I Terra dos homens I (Antoine de Saint-Exupéry) Trechos do livro " Se às vez...
Ao Luar Ao Luar (Augusto dos Anjos) Quando, à noite, o Infinito se levanta A luz do ...
Angústia Quarta Angústia Quarta (Nicolás Guillén) ...

Deixe uma resposta