Vou-me embora pra Pasárgada

Print Friendly, PDF & Email

Vou-me embora pra Pasárgada (Manuel Bandeira)

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha falsa e demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as hitórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Paságarda tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que quero
na cama que escolherei
Vou-me embora para Pasárgada.

Publicações relacionadas

Preceito 09 Preceito 09 (Gregório de Matos) Do nono não digo nada, porque para mim é ...
Meu Deus, me dê a coragem Meu Deus, me dê a coragem (Clarice Lispecto) Meu Deus, me dê a coragem de ...
Hagamos un trato Hagamos un trato (Mario Benedetti) do livro ...
Rosa Rilke Raimundo Correia Rosa Rilke Raimundo Correia (Paulo Leminski) Uma pálpebra, Mais uma, ...

Deixe uma resposta