A vida anterior

Print Friendly, PDF & Email

A vida anterior (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Guilherme de Almeida

Muito tempo habitei sob pórticos altos
Que ardendo aos sóis do mar em fogos caprichosos,
Com seus grandes pilares retos, majestosos,
Tinham, de noite, um ar de grutas de basaltos,

As ondas, refletindo os céus imaginosos,
Iam, solenemente, em místicos assaltos,
Às tintas do sol-poente em meus olhos ociosos,
Misturando os acordes ricos dos seus saltos

Foi aí que vivi nas volúpias mais calmas,
Circundando de azul, de vagas, de esplendores,
De escravos todos nus, impregnados de odores,

Refrescando-me a fronte ao embalo das palmas,
E cujo único intento era o de aprofundar
O mal que me fazia aos poucos definhar.

Publicações relacionadas

O que Ouviu os Meus Versos O que Ouviu os Meus Versos (Alberto Caeiro) O que ouviu os meus versos disse...
Vida obscura Vida obscura (Cruz e Souza) Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro, Ó ser humi...
Caminho da Glória Caminho da Glória (Cruz e Souza) Este caminho é cor de rosa e é de ouro, Est...
A invenção de um modo A invenção de um modo (Adélia Prado) Entre paciência e fama quero as duas, ...

Deixe uma resposta