Para onde fores, Pai, para onde fores…

Print Friendly, PDF & Email

Para onde fores, Pai, para onde fores… (Augusto dos Anjos)

Sonetos
A meu Pai doente

Para onde fores, Pai, para onde fores,
Irei também, trilhando as mesmas ruas.
Tu, para amenizar as dores tuas,
Eu, para amenizar as minhas dores!

Que cousa triste! O campo tão sem flores,
E eu tão sem crença e as árvores tão nuas
E tu, gemendo, e o horror de nossas duas
Mágoas crescendo e se fazendo horrores!

Magoaram-te, meu Pai?! Que mão sombria,
Indiferente aos mil tormentos teus
De assim magoar-te sem pesar havia?!

— Seria a mão de Deus?! Mas Deus enfim .
É bom, é justo, e sendo justo, Deus,
Deus não havia de magoar-te assim!

Publicações relacionadas

Homo Infimus Homo Infimus (Augusto dos Anjos) Homem, carne sem luz, criatura cega, Realid...
Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
O Universo O Universo (Alberto Caeiro) O universo não é uma idéia minha. A minha i...
Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...

Deixe uma resposta