Canção do exílio

Print Friendly, PDF & Email

Canção do exílio (Gonçalves Dias)
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Publicações relacionadas

Um mancebo no jogo se descora Um mancebo no jogo se descora - Soneto (Álvares de Azevedo) Um mancebo no jog...
Amor de tarde Amor de tarde (Mario Benedetti) Do livro "Po...
Oferta Oferta (Oswald de Andrade) Quem sabe Se algum dia Traria O elevador Até...
A Máscara do Mal A Máscara do Mal (Bertold Brecht) Em minha parede há uma escultura de madeira...

Deixe uma resposta