Ignoto Deo

Print Friendly, PDF & Email

Ignoto Deo (Antero de Quental)

Que belleza mortal se te assemelha,
Ó sonhada visão d’esta alma ardente,
Que reflectes em mim teu brilho indigente,
Lá como sobre o mar o sol se espelha?
O mundo é grande – e esta ancia me aconselha
A buscar-te na terra: e eu, pobre crente,
Pelo mundo procuro um Deus clemente,
Mas a ara só lhe encontro… nua e velha…

Não é mortal o que eu em ti adoro.
Que és tu aqui? olhar de piedade,
Gota de mel em taça de venenos…

Pura essencia das lagrimas que chóro
E sonho dos meus sonhos! se és verdade,
Descobre-te, visão, no céo oa menos!

Publicações relacionadas

Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 05 (Pablo Neruda) Para que ...
De uma vez por todas De uma vez por todas (Thiago de Mello Por Carlos Heitor Cony Todas de uma vez....
Os versos que te fiz Os versos que te fiz (Florbela Espanca) Deixa dizer-te os lindos versos raros...
Idílio Idílio (Antero de Quental) de So...

Deixe uma resposta