Ignoto Deo

Print Friendly, PDF & Email

Ignoto Deo (Antero de Quental)

Que belleza mortal se te assemelha,
Ó sonhada visão d’esta alma ardente,
Que reflectes em mim teu brilho indigente,
Lá como sobre o mar o sol se espelha?
O mundo é grande – e esta ancia me aconselha
A buscar-te na terra: e eu, pobre crente,
Pelo mundo procuro um Deus clemente,
Mas a ara só lhe encontro… nua e velha…

Não é mortal o que eu em ti adoro.
Que és tu aqui? olhar de piedade,
Gota de mel em taça de venenos…

Pura essencia das lagrimas que chóro
E sonho dos meus sonhos! se és verdade,
Descobre-te, visão, no céo oa menos!

Publicações relacionadas

Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...
Por que cantamos Por que cantamos (Mario Benedetti) Do livro ...
Prodígio! Prodígio! (Cruz e Souza) Como o Rei Lear não sentes a tormenta Que te desaba...
Para ler de manhã e à noite Para ler de manhã e à noite (Bertold Brecht) Aquele que amo Disse-me Que pr...

Deixe uma resposta