Ignoto Deo

Print Friendly, PDF & Email

Ignoto Deo (Antero de Quental)

Que belleza mortal se te assemelha,
Ó sonhada visão d’esta alma ardente,
Que reflectes em mim teu brilho indigente,
Lá como sobre o mar o sol se espelha?
O mundo é grande – e esta ancia me aconselha
A buscar-te na terra: e eu, pobre crente,
Pelo mundo procuro um Deus clemente,
Mas a ara só lhe encontro… nua e velha…

Não é mortal o que eu em ti adoro.
Que és tu aqui? olhar de piedade,
Gota de mel em taça de venenos…

Pura essencia das lagrimas que chóro
E sonho dos meus sonhos! se és verdade,
Descobre-te, visão, no céo oa menos!

Publicações relacionadas

Aos caramurus da Bahia Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos) Um calção de pindoba à meia zorra ...
Ricardo Reis Ricardo Reis (1914-1935) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: Um ...
Brisa Brisa (Manuel Bandeira) Vamos viver no Nordeste, Anarina. Deixarei aqui meu...
A Perfeição A Perfeição (Cruz e Souza) A Perfeição é a celeste ciência Da cristalização ...

Deixe uma resposta