É o êxtase langoroso

Print Friendly, PDF & Email

É o êxtase langoroso (Paul Verlaine)

É o êxtase langoroso
É a fadiga amorosa
São todos os arrepios do bosque
Entre os abraços das brisas.
E para o lado das inquietas ramagens
Há um coro de pequenas vozes.

Oh fresco e frágil murmúrio
Tudo chilreia e assusta
Assemelha-se ao doce grito
a aspirar da agitação da erva…
Dirias, sob um redemoinho d’água
Um surdo rolar de seixos.

A alma a lamentar-se
Nessa queixa dormente
É a nossa, não é?
É a minha, dize, é a tua,
d’onde se exala a humilde antífona,
Tão baixinho, nesta noite morna?

Publicações relacionadas

Preparação para a morte Preparação para a morte (Manuel Bandeira) A vida é um milagre. Cada flor, C...
Máquina alguma de poupar traba... Máquina alguma de poupar trabalho (Walt Whitman) Máquina alguma de poupar tra...
Encontro de assombrar na cated... Encontro de assombrar na catedral (Ana Cristina Cesar) Frente a frente, derra...
A morte de Rubén Darío A morte de Rubén Darío (Antonio Machado) Tradução Se era toda em teu verso...

Deixe uma resposta