No interminável

Print Friendly, PDF & Email

No interminável (Paul Verlaine)

No interminável
Tédio da planície
A neve, incerta,
Reluz como areia

Num céu de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer a lua.

Iguais a nuvens
Flutuam cinzentos carvalhos
Das florestas próximas
No vapor d’água.

O céu é de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer – a lua.

Gralha ofegante
E vós, lobos magros
Por estas amargas brisas
Que vos acontece, afinal?

No interminável
Tédio da planície
A neve incerta,
Reluz como areia.

Publicações relacionadas

Da Mais Alta Janela da Minha C... Da Mais Alta Janela da Minha Casa (Alberto Caeiro) ...
Garoto Garoto (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrer...
Dispersão Dispersão (Mário de Sá Carneiro) Perdi-me dentro de mim Porque eu era labir...
A desobediência civil – ... A desobediência civil - II (Henry David Thoreau) continuação da parte I ...

Deixe uma resposta