No interminável

Print Friendly, PDF & Email

No interminável (Paul Verlaine)

No interminável
Tédio da planície
A neve, incerta,
Reluz como areia

Num céu de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer a lua.

Iguais a nuvens
Flutuam cinzentos carvalhos
Das florestas próximas
No vapor d’água.

O céu é de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer – a lua.

Gralha ofegante
E vós, lobos magros
Por estas amargas brisas
Que vos acontece, afinal?

No interminável
Tédio da planície
A neve incerta,
Reluz como areia.

Publicações relacionadas

Dobrada à moda do porto Dobrada à moda do porto (Álvaro de Campos) Um dia, num restaurante, fora do e...
Foederis arca Foederis arca (Cruz e Souza) Visão que a luz dos Astros louros trazes, ...
Nada É Impossível De Mudar Nada É Impossível De Mudar (Bertold Brecht) Desconfiai do mais trivial , na...
Recolhimento Recolhimento (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Theophilo Dias Sinto...

Deixe uma resposta