No interminável

Print Friendly, PDF & Email

No interminável (Paul Verlaine)

No interminável
Tédio da planície
A neve, incerta,
Reluz como areia

Num céu de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer a lua.

Iguais a nuvens
Flutuam cinzentos carvalhos
Das florestas próximas
No vapor d’água.

O céu é de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer – a lua.

Gralha ofegante
E vós, lobos magros
Por estas amargas brisas
Que vos acontece, afinal?

No interminável
Tédio da planície
A neve incerta,
Reluz como areia.

Publicações relacionadas

Nimbos Nimbos (Augusto dos Anjos) Nimbos de bronze que empanais escuros O santuário...
Todas as vidas Todas as vidas (Cora Coralina) Vive dentro de mim uma cabocla velha de mau-...
Este é o prólogo Este é o prólogo (Federico Garcia Lorca) (7 de a...
Meu Sonho Meu Sonho (Alvares Azevedo) Eu Cavaleiro das armas escuras, Onde vais pelas...

Deixe uma resposta