No interminável

Print Friendly, PDF & Email

No interminável (Paul Verlaine)

No interminável
Tédio da planície
A neve, incerta,
Reluz como areia

Num céu de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer a lua.

Iguais a nuvens
Flutuam cinzentos carvalhos
Das florestas próximas
No vapor d’água.

O céu é de cobre
Sem luz nenhuma
Crer-se-ia ver viver
E morrer – a lua.

Gralha ofegante
E vós, lobos magros
Por estas amargas brisas
Que vos acontece, afinal?

No interminável
Tédio da planície
A neve incerta,
Reluz como areia.

Publicações relacionadas

As litanias de Satã (2) As litanias de Satã (2) (Charles Pierre Baudelaire) ...
Vozes do Mar Vozes do Mar (Florbela Espanca) Quando o sol vai caindo sobre as águas Num n...
Un Poeta Sajón Un Poeta Sajón (Jorge Luis Borges) Tú cuya carne, hoy dispersión y polvo, P...
Queixas da sua mesma verdade Queixas da sua mesma verdade (Gregório de Matos) Quer-me mal esta cidade........

Deixe uma resposta