A vontade de abrangência

Print Friendly, PDF & Email

A vontade de abrangência

É cada vez mais árduo o trabalho do intelectual que tenta se manter,
ao mesmo tempo, íntegro e público

Publicado em 20/06/99 no caderno Mais! da Folha de São Paulo.




Qual o papel do intelectual nessa encruzilhada turbulenta da história? Pode ele contribuir, pela reflexão, ao aperfeiçoamento da vida democrática e das instituições? Cabe fazer tais perguntas no Brasil deste fim de século, onde, aparentemente, homens de estudo se instalaram no poder?


O antigo debate sobre o papel social dos intelectuais, mais vivo em países como a França, mais débil noutros como os Estados Unidos, onde a filosofia dominante do pragmatismo constitui por si mesma uma dificuldade, merece ganhar nova força com a emergência do fenômeno da globalização. Diante do papel político das empresas e do mercado global, frequentemente mais ativos que os Estados e os partidos na formação da opinião, as massas atônitas reclamam explicações mais consistentes. Estarão os intelectuais preparados e dispostos ao enfrentamento dessa tarefa?


A questão essencial é que a centralidade do trabalho dito intelectual tem, hoje, como eixo a técnica e o mercado, ambos planetários, pois constituem os esteios centrais da própria globalização. Enquanto a velha oposição entre trabalho manual e trabalho intelectual se torna insuficiente, a tecno-ciência acaba por obter um comando excessivo nas tarefas de elaboração das idéias. Pede-se, agora, aos homens do saber a elaboração das soluções mercantis e o respectivo discurso, a ser utilizado pelos governos e empresas. Não é essa a cantilena dos Ministérios da Educação e da Ciência?


Desse modo, levantam-se graves riscos às atividades de pensar, graças, sobretudo, às armadilhas da instrumentalização. Esta é cada vez mais presente, crescentemente exercida pelo mercado; mas, também, pela reclamada busca de sucesso; pela substituição do modo, isto é, a busca incessante da verdade, pela moda, com a qual a notoriedade é garantida à custa da inteireza; e até mesmo por toda sorte de ativismos, isto é, partidismos, militantismos, unilateralismos e sloganismos, caminhos de facilidade que atropelam a possibilidade de um pensamento livre.


Para completar, provisoriamente, essa lista, lembremos que a institucionalização crescente da vida universitária acaba por forjar uma teia, cada dia mais sólida e visível, em que o trabalho rasteiro é deixado a alguns assessores, que recrutam subserviências no baixo e médio clero, editando medidas ditas saneadoras da administração e das finanças, cujo resultado final é a limitação à liberdade do pensar e do dizer, enquanto, espertamente, autoridades superiores cada vez mais comprometidas com os meios e mais descompromissadas com as finalidades da educação inundam o mercado com discursos eloquentes, mas vazios.


Esses riscos, que já se vinham delineando havia algum tempo, agravaram-se com a globalização, momento da história que consagra o reino do efêmero e abre espaço, tornado excessivo, às demandas de um saber prático em detrimento do saber filosófico, daí a confusão cada vez maior entre ser letrado e ser intelectual. Nas condições atuais, quando, no dizer de Ramsey Clark, pensamos com um revólver apontado contra nossa cabeça, o exercício das idéias genuínas pode até parecer uma inutilidade. Tudo conspira para a primazia do pensamento calculante, a começar pelas próprias dificuldades de difusão de idéias fundamentais.


Para isso, aliás, contribui uma indústria editorial cada vez mais inclinada à busca do lucro, em detrimento da qualidade das obras e ao elogio da banalidade, com a fabricação de best sellers de retorno garantido e, também, com a síndrome do “show business” que agora acompanha as atividades propriamente intelectuais, ameaçando-as de prostituição desde a origem. São, também, cada vez mais frequentes as manifestações organizadas como grandes promoções e nas quais é difícil às estrelas escapar à condição de um produto oferecido, uma marca, uma grife, cuja presença apenas legitima a ocasião. Hoje, a moda cruel no marketing de idéias é dar a palavra a um oponente, a pretexto de democratizar o debate, enquanto o grosso da tropa fala de outra coisa, isto é, do que realmente conta.


Nessas condições, o intelectual trabalha sobre o fio da navalha, já que aos jovens se torna difícil ser autêntico, e os intelectuais estabelecidos, frequentemente atraídos por prementes solicitações para aparecer, estão sob a mesma ameaça.


É normal que os produtores de idéias aspirem a que o seu trabalho seja conhecido: é a forma pela qual podem, ao mesmo tempo, influenciar a evolução da sociedade e obter aquele reconhecimento indispensável à continuação da sua tarefa. O perigo é que o mundo do marketing, sob diferentes disfarces, e a vontade, escancarada ou secreta, de ser um intelectual “bem-sucedido” levem à confusão entre o exercício do papel de intelectual e o mero desempenho como um ator de vaudeville.


O intelectual público tem como ponto de partida uma vontade de abrangência, uma filosofia certamente banal, mas solidamente ancorada nos fatos e na reflexão, que permite encontrar, ao mesmo tempo, as idéias, abertas a um público maior, e as respectivas palavras: simples, precisas, inteligíveis. Daí seu papel pedagógico e, às vezes, profético. As metáforas não serão um artifício mercadológico, mas o resultado de uma pesquisa frequentemente longa, tanto das idéias como do discurso que as exprime. Cabe, todavia, na busca das palavras justas e do discurso acessível, fugir ao escorregão nas banalidades e chavões, isto é, escapar ao panfleto. É, talvez, esse o limite à ação do intelectual público, uma fronteira de reconhecimento difícil, inclusive porque é difícil avaliar a priori o jogo de influências entre um autor e o seu público. Cabe, mesmo, indagar sobre o que é esse público e como ele é conduzido, a partir da própria forma de sua convocação.


As cascas de banana no caminho daqueles que se querem manter, ao mesmo tempo, intelectuais íntegros e intelectuais públicos são numerosas, obrigando a um permanente estado de alerta para obedecer, ao mesmo tempo, ao imperativo da crítica da história e ao da sua própria autocrítica, como seu intérprete.

Publicações relacionadas

O Bem Viver – Uma oportu... O Bem Viver - Uma oportunidade de imaginar outro mundo (Alberto Acosta)
A estetização da crise A estetização da crise (Robert Kurz) Publicado em 23/11/97 no caderno Mais! ...
Eduardo Gudynas Eduardo Gudynas PUBLICAÇÕES Eduardo Gudynas es analista en t...
Guerra dos lugares Guerra dos lugares Áreas inteiras do Brasil têm sido retiradas do ...

Deixe uma resposta