Carolina

Print Friendly, PDF & Email
Carolina (Machado de Assis)

Querida, ao pé do leito derradeiro
Em que descansas dessa longa vida,
Aqui venho e virei, pobre querida,
Trazer-te o coração do companheiro.

Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro
Que, a despeito de toda a humana lida,
Fez a nossa existência apetecida
E num recanto pôs o mundo inteiro.

Trago-te flores – restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.

Que eu, se tenho nos olhos malferidos
Pensamentos de vida formulados,
São pensamentos idos e vividos.

1906

Publicações relacionadas

Los hombres Los hombres (Pablo Neruda) Como la copa de la arcilla era la raza mineral, ...
Apostrofe à Carne Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos) Quando eu pego nas carnes do meu rosto....
Los Espejos Los Espejos (Jorge Luis Borges) Yo que sentí el horror de los espejos no só...
Navegadores Portugueses Navegar não é privilégio de nós, internautas. No...

Deixe uma resposta