A Geramano Meireles

Print Friendly, PDF & Email

A Geramano Meireles (Antero de Quental)

de Sonetos

Só males são reais, só dor existe:
Prazeres só os gera a fantasia;
Em nada[, um] imaginar, o bem consiste,
Anda o mal em cada hora e instante e dia.

Se buscamos o que é, o que devia
Por natureza ser não nos assiste;
Se fiamos num bem, que a mente cria,
Que outro remédio há [aí] senão ser triste?

Oh! Quem tanto pudera que passasse
A vida em sonhos só. E nada vira…
Mas, no que se não vê, labor perdido!

Quem fora tão ditoso que olvidasse…
Mas nem seu mal com ele então dormira,
Que sempre o mal pior é ter nascido!

Publicações relacionadas

A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - I (Oscar Wilde) CAPÍTULO I Quando mister Hiram B. O...
O impossível carinho O impossível carinho (Mário de Andrade) Escuta, eu não quero contar-te o meu ...
Uma cidade tão nobre Uma cidade tão nobre (Gregório de Matos) Uma cidade tão nobre, ...
Costernados, raivosos Costernados, raivosos (Mario Benedetti) Do livr...

Deixe uma resposta