Plenilúnio

Print Friendly, PDF & Email

Plenilúnio (Augusto dos Anjos)

Desmaia o plenilúnio. A gaze pálida
Que lhe serve de alvíssimo sudário
Respira essências raras, toda a cálida
Mística essência desse alampadário.

E a lua é como um pálido sacrário,
Onde as almas das virgens em crisálida
De seios alvos e de fronte pálida,
Derramam a urna dum perfume vário.

Voga a lua na etérea imensidade!
Ela, eterna noctâmbula do Amor,
Eu, noctâmbulo da Dor e da Saudade.

Ah! como a branca e merencórea lua,
Também envolta num sudário — a Dor,
Minh’alma triste pelos céus flutua!

Publicações relacionadas

Os bilhetes por favor Os bilhetes por favor (David Hebert Lawrence) Há no centro da Inglat...
Num Dia Excessivamente Nítido Num Dia Excessivamente Nítido (Alberto Caeiro) ...
Feito Adão de manhã cedo Feito Adão de manhã cedo (Walt Whitman) Feito Adão de manhã cedo deixando o ...
Pensar em Deus Pensar em Deus (Alberto Caeiro) De O ...

Deixe uma resposta