Plenilúnio

Print Friendly, PDF & Email

Plenilúnio (Augusto dos Anjos)

Desmaia o plenilúnio. A gaze pálida
Que lhe serve de alvíssimo sudário
Respira essências raras, toda a cálida
Mística essência desse alampadário.

E a lua é como um pálido sacrário,
Onde as almas das virgens em crisálida
De seios alvos e de fronte pálida,
Derramam a urna dum perfume vário.

Voga a lua na etérea imensidade!
Ela, eterna noctâmbula do Amor,
Eu, noctâmbulo da Dor e da Saudade.

Ah! como a branca e merencórea lua,
Também envolta num sudário — a Dor,
Minh’alma triste pelos céus flutua!

Publicações relacionadas

Um cadáver de poeta Um cadáver de poeta (Álvares de Azevedo) Levem ao t...
Tu Tu (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrera Gu...
Farewell Farewell (Pablo Neruda) Desde el fondo de ti, y arrodillado, un niño tr...
A Exceção e a Regra A Exceção e a Regra (Bertold Brecht) Estranhem o que não for estranho. Tomem...

Deixe uma resposta