Tempo sem tempo

Print Friendly, PDF & Email

Tempo sem tempo (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Preciso tempo necessito esse tempo
que outros deixam abandonado
por que lhes sobra ou já não sabem
o que fazer com ele

tempo
em branco
em vermelho
em verde até em castanho-escuro
não me importa a cor
cândido tempo
que eu possa abrir
e fechar
como uma porta

tempo para olhar uma árvore um farol
para andar pelo fio do descanso
para pensar que bom hoje não é inverno
para morrer um pouco
e nascer em seguida
e para me dar conta
e para me dar corda
preciso tempo o necessário para
chafurdar umas horas na vida
e para investigar por que estou triste
e acostumar-me ao meu esqueleto antigo

tempo para esconder-me no canto de algum galo
e para reaparecer em um relincho
e para estar em dia
e para estar na noite
tempo sem recato e sem relógio

vale dizer preciso
ou seja necessito
digamos me faz falta
tempo sem tempo.

Publicações relacionadas

Madrigal al billete de tranvía... Madrigal al billete de tranvía (Rafael Alberti) Adonde el viento, impávido...
Trindade Trindade (Álvares de Azevedo) A vida é uma planta misteriosa Cheia d’espinho...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 05 (Pablo Neruda) Para que ...
As mãos de Deus As mãos de Deus (David Hebert Lawrence) Coisa terrível é cair nas mãos do D...

Deixe uma resposta