Tempo sem tempo

Print Friendly, PDF & Email

Tempo sem tempo (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Preciso tempo necessito esse tempo
que outros deixam abandonado
por que lhes sobra ou já não sabem
o que fazer com ele

tempo
em branco
em vermelho
em verde até em castanho-escuro
não me importa a cor
cândido tempo
que eu possa abrir
e fechar
como uma porta

tempo para olhar uma árvore um farol
para andar pelo fio do descanso
para pensar que bom hoje não é inverno
para morrer um pouco
e nascer em seguida
e para me dar conta
e para me dar corda
preciso tempo o necessário para
chafurdar umas horas na vida
e para investigar por que estou triste
e acostumar-me ao meu esqueleto antigo

tempo para esconder-me no canto de algum galo
e para reaparecer em um relincho
e para estar em dia
e para estar na noite
tempo sem recato e sem relógio

vale dizer preciso
ou seja necessito
digamos me faz falta
tempo sem tempo.

Publicações relacionadas

Garabato Garabato (Octavio Paz) Con un trozo de carbon Con mi gis roto y mi lapiz ...
Solidões Solidões (Mario Benedetti) Tradução Eles tem razão essa felicidade ao me...
Arte de amar Arte de amar (Manuel Bandeira) Se queres sentir a felicidade de amar, esquece...
À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...

Deixe uma resposta