À Cidade da Bahia

Print Friendly, PDF & Email

À Cidade da Bahia (Gregório de Matos)

Triste Bahia! Ó quão dessemelhante
Estás e estou do nosso antigo estado!
Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,
Rica te vi eu já, tu a mi abundante.
A ti trocou-te a máquina mercante
Que em tua larga barra tem entrado
A mim foi-me trocando, e tem trocado,
Tanto negócio e tanto negociante.
Deste em dar tanto açúcar excelente
Pelas drogas inúteis, que abelhuda
Simples aceitas do sagaz Brichote.
Oh se quisera Deus, que de repente
Um dia amanheceras tão sisuda
Que fôra de algodão o teu capote!

Publicações relacionadas

Aos Leitores Amigos Aos Leitores Amigos (Johann Wofgang von Goethe) Poetas não podem calar-se, Q...
Los hombres Los hombres (Pablo Neruda) Como la copa de la arcilla era la raza mineral, ...
A Minha Estrela A Minha Estrela (Augusto dos Anjos) A meu irmão Aprígio A. E eu disse - Va...
Pré-história Pré-história (Murilo Mendes) Mamãe vestida de rendas Tocava piano no caos. ...

Deixe uma resposta