À Cidade da Bahia

Print Friendly, PDF & Email

À Cidade da Bahia (Gregório de Matos)

Triste Bahia! Ó quão dessemelhante
Estás e estou do nosso antigo estado!
Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,
Rica te vi eu já, tu a mi abundante.
A ti trocou-te a máquina mercante
Que em tua larga barra tem entrado
A mim foi-me trocando, e tem trocado,
Tanto negócio e tanto negociante.
Deste em dar tanto açúcar excelente
Pelas drogas inúteis, que abelhuda
Simples aceitas do sagaz Brichote.
Oh se quisera Deus, que de repente
Um dia amanheceras tão sisuda
Que fôra de algodão o teu capote!

Publicações relacionadas

A esfinge sem segredo A esfinge sem segredo (Oscar Wilde) por Oscar Wilde UMA ÁGUA FORTE Acha...
A água chia no púcaro que elev... A água chia no púcaro que elevo à boca (Alberto Caeiro) A água chia no p...
Solitário Solitário (Augusto dos Anjos) Como um fantasma que se refugia Na solidão da ...
O engenho de Seu Lula O engenho de Seu Lula (José Lins do Rego) Trecho do livro "Fogo Morto" Che...

Deixe uma resposta