As horas pela alameda

Print Friendly, PDF & Email

As horas pela alameda (Fernando Pessoa)

As horas pela alameda
Arrastam vestes de seda,

Vestes de seda sonhada
Pela alameda alongada

Sob o azular do luar…
E ouve-se no ar a expirar –

A expirar mas nunca expira –
Uma flauta que delira,

Que é mais a idéia de ouvi-la
Que ouvi-la quase tranqüila

Pelo ar a ondear e a ir…
Silêncio a tremeluzir…

Publicações relacionadas

Sou um Guardador de Rebanhos Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
De que cor? De que cor? (Nicolás Guillén) De...
Musa traviesa Musa traviesa (José Martí) Mi musa? Es un diablillo Contándolo, me inunda Co...
Minha Árvore Minha Árvore (Augusto dos Anjos) Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrad...

Deixe uma resposta