As horas pela alameda

Print Friendly, PDF & Email

As horas pela alameda (Fernando Pessoa)

As horas pela alameda
Arrastam vestes de seda,

Vestes de seda sonhada
Pela alameda alongada

Sob o azular do luar…
E ouve-se no ar a expirar –

A expirar mas nunca expira –
Uma flauta que delira,

Que é mais a idéia de ouvi-la
Que ouvi-la quase tranqüila

Pelo ar a ondear e a ir…
Silêncio a tremeluzir…

Publicações relacionadas

Não Necessito De Pedra Tumular... Não Necessito De Pedra Tumular (Bertold Brecht) Não necessito de pedra tumula...
Canto de Onipotência Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos) Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siv...
não creio não creio (Paulo Leminski) do livro "Caprichos e Relaxo...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XVII (Pablo Neruda) No te amo como si fueras rosa de s...

Deixe uma resposta