As horas pela alameda

Print Friendly, PDF & Email

As horas pela alameda (Fernando Pessoa)

As horas pela alameda
Arrastam vestes de seda,

Vestes de seda sonhada
Pela alameda alongada

Sob o azular do luar…
E ouve-se no ar a expirar –

A expirar mas nunca expira –
Uma flauta que delira,

Que é mais a idéia de ouvi-la
Que ouvi-la quase tranqüila

Pelo ar a ondear e a ir…
Silêncio a tremeluzir…

Deixe uma resposta