Conciliação

Print Friendly, PDF & Email

Conciliação (Cruz e Souza)

Se essa angústia de amar te crucifica,
Não és da dor um simples fugitivo:
Ela marcou-te com o sinete vivo
Da sua estranha majestade rica.

És sempre o Assinalado ideal que fica
Sorrindo e contemplando o céu altivo;
Dos Compassivos és o compassivo,
Na Transfiguração que glorifica.

Nunca mais de tremer terás direito…
Da Natureza todo o Amor perfeito
Adorarás, venerarás contrito.

Ah! Basta encher, eternamente basta
Encher, encher toda esta Esfera vasta
Da convulsão do teu soluço aflito!

Publicações relacionadas

Gênio das trevas lúgubres, aco... Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos) Soneto Gênio das ...
O Fim Das Coisas O Fim Das Coisas (Augusto dos Anjos) Pode o homem bruto, adstricto à ciência ...
A umas saudades A umas saudades (Gregório de Matos) Parti, coração, parti, navegai sem vos ...
Samba – canção Samba-canção (Ana Cristina Cesar) Tantos poemas que perdi. Tantos que ouvi, ...

Deixe uma resposta