Sou meu hóspede

Print Friendly, PDF & Email

Sou meu hóspede (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Sou meu hóspede noturno
em doses mínimas
e uso a noite
para despojar-me
da modéstia
e outras vaidades

procuro ser tratado
sem os prejuízos
das boas-vindas
e com as cortesias
do silêncio

não coleciono padeceres
nem os sarcasmos
que deixam marca

sou tão-só meu hóspede
e trago uma pomba
que não é sinal de paz
mas sim pomba

como hóspede
estritamente meu
no quadro negro da noite
faço uma linha
branca

depois assopro minha brisa
e os postigos e os ramos
tremem

como hóspede de mim
sei de mim o que penso
não é grande coisa

armo minhas barricadas
contra o sono
muito embora o sono
as derrube

sou meu hóspede
por que negá-lo
mas
às vezes também sou
um estranho de mim

quando meu rústico
anfitrião
me olha
sinto que estou
sobrando
e saio fora.

Publicações relacionadas

Quando Vier a Primavera Quando Vier a Primavera (Alberto Caeiro) Quando vier a Primavera, Se eu já ...
Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...
Vítima do Dualismo Vítima do Dualismo (Augusto dos Anjos) Ser miserável dentre os miseráveis — ...
Folhas de Rosa Folhas de Rosa (Florbela Espanca) Todas as prendas que me deste, um dia, Gua...

Deixe uma resposta