As mãos de Deus

Print Friendly, PDF & Email
As mãos de Deus (David Hebert Lawrence)

Coisa terrível é cair nas mãos do Deus vivo.
Mas muito mais terrível ainda é delas cair.

Não foi pelo conhecimento que Lúcifer caiu ?
Ah! tende piedade dele, piedade dessa queda!

Livra-me , Deus, de cair no conhecimento profano
de mim mesmo, como eu sou sem Deus.
Que eu nunca o saiba, meu Deus,
nunca me deixes saber o que eu sou, ou seria,
se caísse de tuas mãos – as mãos do Deus vivo.

Aquele pavoroso e estonteante e infindável afundar, afundar
pelos lentos patamares depravantes do saber desintegrador,
quando o ego já caiu das mãos de Deus
e afunda, fervilhando, submergindo, corrompido
e afundando ainda, de profundeza em profundeza da consciência desintegradora,
afundando na ruína sem fim – o pavoroso catabolismo para o fundo do abismo !
é assim a alma caída das mãos de Deus !

Livra-me disso, o’ Deus !
Que eu nunca me conheça separado do Deus vivo !

Publicações relacionadas

N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...
Insânia de um Simples Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos) Em cismas patológicas insanas, É-m...
Canção do pintor Hitler Canção do pintor Hitler (Bertold Brecht) 1 Hitler, o pintor de paredes Di...
Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...

Deixe uma resposta