As mãos de Deus

Print Friendly, PDF & Email
As mãos de Deus (David Hebert Lawrence)

Coisa terrível é cair nas mãos do Deus vivo.
Mas muito mais terrível ainda é delas cair.

Não foi pelo conhecimento que Lúcifer caiu ?
Ah! tende piedade dele, piedade dessa queda!

Livra-me , Deus, de cair no conhecimento profano
de mim mesmo, como eu sou sem Deus.
Que eu nunca o saiba, meu Deus,
nunca me deixes saber o que eu sou, ou seria,
se caísse de tuas mãos – as mãos do Deus vivo.

Aquele pavoroso e estonteante e infindável afundar, afundar
pelos lentos patamares depravantes do saber desintegrador,
quando o ego já caiu das mãos de Deus
e afunda, fervilhando, submergindo, corrompido
e afundando ainda, de profundeza em profundeza da consciência desintegradora,
afundando na ruína sem fim – o pavoroso catabolismo para o fundo do abismo !
é assim a alma caída das mãos de Deus !

Livra-me disso, o’ Deus !
Que eu nunca me conheça separado do Deus vivo !

Publicações relacionadas

El crimen fue en Granada El crimen fue en Granada (Antonio Machado) I EL CRIMEN Se le vio, camin...
A cada canto um grande conselh... A cada canto um grande conselheiro (Gregório de Matos) A cada canto um grand...
A umas saudades A umas saudades (Gregório de Matos) Parti, coração, parti, navegai sem vos ...
Ricardo Reis Ricardo Reis (1914-1935) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: Um ...

Deixe uma resposta