Como um Grande Borrão

Print Friendly, PDF & Email

Como um Grande Borrão (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Como um grande borrão de fogo sujo
O sol posto demora-se nas nuvens que ficam.
Vem um silvo vago de longe na tarde muito calma.
Deve ser dum comboio longínquo.

Neste momento vem-me uma vaga saudade
E um vago desejo plácido
Que aparece e desaparece.

Também às vezes, à flor dos ribeiros,
Formam-se bolhas na água
Que nascem e se desmancham
E não têm sentido nenhum
Salvo serem bolhas de água
Que nascem e se desmancham.

Publicações relacionadas

Tão linda e serena e bela Tão linda e serena e bela (Mário Quintana) Coração que bate-bate... Antes ...
Descobrimento Descobrimento (Carlos Drummond de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Pau...
Alucinação à Beira-mar Alucinação à Beira-mar (Augusto dos Anjos) Um medo de morrer meus pés esfriav...
Eu, eu mesmo… Eu, eu mesmo... (Álvaro de Campos) Eu, eu mesmo... Eu, cheio de todos os can...

Deixe uma resposta