Como um Grande Borrão

Print Friendly, PDF & Email

Como um Grande Borrão (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Como um grande borrão de fogo sujo
O sol posto demora-se nas nuvens que ficam.
Vem um silvo vago de longe na tarde muito calma.
Deve ser dum comboio longínquo.

Neste momento vem-me uma vaga saudade
E um vago desejo plácido
Que aparece e desaparece.

Também às vezes, à flor dos ribeiros,
Formam-se bolhas na água
Que nascem e se desmancham
E não têm sentido nenhum
Salvo serem bolhas de água
Que nascem e se desmancham.

Publicações relacionadas

Do inquieto oceano da multidão... Do inquieto oceano da multidão (Walt Whitman) Do inquieto oceano da multidão ...
Ode ao Burguês Ode ao Burguês (Mário de Andrade) Eu insulto o burgês! O burguês-níquel, o ...
Não digas nada! Não digas nada! (Fernando Pessoa) Não digas nada! Nem mesmo a verdade Há ...
Dizes-me Dizes-me (Alberto Caeiro) Dizes-me: tu és mais alguma cousa Que uma p...

Deixe uma resposta