Dilacerações

Print Friendly, PDF & Email

Dilacerações (Cruz e Souza)

Ó carnes que eu amei sangrentamente,
Ó volúpias letais e dolorosas,
Essências de heliotropos e de rosas
De essência morna, tropical, dolente…

Carnes virgens e tépidas do Oriente
Do Sonho e das Estrelas fabulosas,
Carnes acerbas e maravilhosas,
Tentadoras do sol intensamente…

Passai, dilaceradas pelos zeros,
Através dos profundos pesadelos
Que me apunhalam de mortais horrores…

Passai, passai, desfeitas em tormentos,
Em lágrimas, em prantos, em lamentos,
Em ais, em luto, em convulsões, em cores…

Publicações relacionadas

Festival Festival (Augusto dos Anjos) Para Jônatas Costa Címbalo...
No interminável No interminável (Paul Verlaine) No interminável Tédio da planície A neve, i...
Trova Trova (Mário Quintana) A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,...
Flor de Açucena Flor de Açucena (Thiago de Mello Quando acariciei o teu dorso, campo de tri...

Deixe uma resposta