Dilacerações

Print Friendly, PDF & Email

Dilacerações (Cruz e Souza)

Ó carnes que eu amei sangrentamente,
Ó volúpias letais e dolorosas,
Essências de heliotropos e de rosas
De essência morna, tropical, dolente…

Carnes virgens e tépidas do Oriente
Do Sonho e das Estrelas fabulosas,
Carnes acerbas e maravilhosas,
Tentadoras do sol intensamente…

Passai, dilaceradas pelos zeros,
Através dos profundos pesadelos
Que me apunhalam de mortais horrores…

Passai, passai, desfeitas em tormentos,
Em lágrimas, em prantos, em lamentos,
Em ais, em luto, em convulsões, em cores…

Publicações relacionadas

El Cómplice El Cómplice (Jorge Luis Borges) Me crucifican y yo debo ser la cruz y los cla...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXVII (Pablo Neruda) Desnuda eres tan simple como una ...
Página branca Página branca (Arnaldo Antunes) O inverno é eterno no pólo norte. Os dias d...
Mulata Mulata (Nicolás Guillén) De Motivos de Son Ya yo ...

Deixe uma resposta