Olá, Guardador de Rebanhos

Print Friendly, PDF & Email

Olá, Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

“Olá, guardador de rebanhos,
Aí à beira da estrada,
Que te diz o vento que passa?”

“Que é vento, e que passa,
E que já passou antes,
E que passará depois.
E a ti o que te diz?”

“Muita cousa mais do que isso.
Fala-me de muitas outras cousas.
De memórias e de saudades
E de cousas que nunca foram.”

“Nunca ouviste passar o vento.
O vento só fala do vento.
O que lhe ouviste foi mentira,
E a mentira está em ti.”

Publicações relacionadas

Os antigos invocavam as Musas Os antigos invocavam as Musas (Álvaro de Campos) Os antigos invocavam as Musa...
Regenerada Regenerada (Augusto dos Anjos) De mãos postas, à luz de frouxos círios ...
No Claustro No Claustro (Augusto dos Anjos) Pelas do claustro salas silenciosas De lutul...
O Universo O Universo (Alberto Caeiro) O universo não é uma idéia minha. A minha i...

Deixe uma resposta