Olá, Guardador de Rebanhos

Print Friendly, PDF & Email

Olá, Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

“Olá, guardador de rebanhos,
Aí à beira da estrada,
Que te diz o vento que passa?”

“Que é vento, e que passa,
E que já passou antes,
E que passará depois.
E a ti o que te diz?”

“Muita cousa mais do que isso.
Fala-me de muitas outras cousas.
De memórias e de saudades
E de cousas que nunca foram.”

“Nunca ouviste passar o vento.
O vento só fala do vento.
O que lhe ouviste foi mentira,
E a mentira está em ti.”

Publicações relacionadas

Curriculum Curriculum (Mario Benedetti) El cuento es muy sencillo usted nace contemp...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXVII (Pablo Neruda) Desnuda eres tan simple como una ...
Confesso eu sou poeta Confesso eu sou poeta (Paulo Leminski) parem eu confesso sou poeta ca...
Passou a Diligência Passou a Diligência (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta