Olá, Guardador de Rebanhos

Print Friendly, PDF & Email

Olá, Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

“Olá, guardador de rebanhos,
Aí à beira da estrada,
Que te diz o vento que passa?”

“Que é vento, e que passa,
E que já passou antes,
E que passará depois.
E a ti o que te diz?”

“Muita cousa mais do que isso.
Fala-me de muitas outras cousas.
De memórias e de saudades
E de cousas que nunca foram.”

“Nunca ouviste passar o vento.
O vento só fala do vento.
O que lhe ouviste foi mentira,
E a mentira está em ti.”

Publicações relacionadas

Soledades Soledades (Mario Benedetti) Ellos tienen razón esa felicidad al menos con...
Luminares Luminares (Charles Pierre Baudelaire) Tra...
Solemnia verba Solemnia verba (Antero de Quental) ...
À Cidade da Bahia À Cidade da Bahia (Gregório de Matos) Triste Bahia! Ó quão dessemelhante Est...

Deixe uma resposta