Tristura

Print Friendly, PDF & Email

Tristura (Mário de Andrade)

“Une rose dans les ténèbres” – Mallaemé

Profundo. Imundo meu coração…
Olha o edifício: Matadouros da Continental.
Os vícios viciaram-me na bajulação sem sacrifícios…
Minha alma corcunda como a avenida São João…

E dizem que os polichinelos são alegres!
Eu nunca em guizos nos meus interiores arlequinais!…

Paulicéias, minha noiva… Há matrimônios assim…
Ninguém os assistirá nos jamais!
As permanências de ser um na febre!
Nunca nos encontramos…
Mas há rendez-vous na meia-noite do Armenonville…

E tivemos uma filha, uma só…
Batismos do sr. cura Bruma;

água-benta das garoas monótonas…
Registrei-a no cartório da Consolação…
Chamei-a Solitude das Plebes…

Pobres cabelos cortados da nossa monja!

Publicações relacionadas

Flor de Açucena Flor de Açucena (Thiago de Mello Quando acariciei o teu dorso, campo de tri...
Um morto alegre Um morto alegre (Charles Pierre Baudelaire) ...
A boa vista A boa vista (Castro Alves) Sonha, poeta, sonha! Aqui sentado No tosco...
Dispersão Dispersão (Mário de Sá Carneiro) Perdi-me dentro de mim Porque eu era labir...

Deixe uma resposta