Tristura

Print Friendly, PDF & Email

Tristura (Mário de Andrade)

“Une rose dans les ténèbres” – Mallaemé

Profundo. Imundo meu coração…
Olha o edifício: Matadouros da Continental.
Os vícios viciaram-me na bajulação sem sacrifícios…
Minha alma corcunda como a avenida São João…

E dizem que os polichinelos são alegres!
Eu nunca em guizos nos meus interiores arlequinais!…

Paulicéias, minha noiva… Há matrimônios assim…
Ninguém os assistirá nos jamais!
As permanências de ser um na febre!
Nunca nos encontramos…
Mas há rendez-vous na meia-noite do Armenonville…

E tivemos uma filha, uma só…
Batismos do sr. cura Bruma;

água-benta das garoas monótonas…
Registrei-a no cartório da Consolação…
Chamei-a Solitude das Plebes…

Pobres cabelos cortados da nossa monja!

Publicações relacionadas

Inventario galante Inventario galante (Antonio Machado) Tus ojos me recuerdan las noches de ve...
Barcarola Barcarola (Augusto dos Anjos) Barcarola Cantam nautas, choram flautas Pel...
Feito Adão de manhã cedo Feito Adão de manhã cedo (Walt Whitman) Feito Adão de manhã cedo deixando o ...
Noite de São João Noite de São João (Alberto Caeiro) Noite de S. João para além do muro do meu...

Deixe uma resposta