Tietê

Print Friendly, PDF & Email

Tietê (Mário de Andrade)

Era uma vez um rio…
Porém os Borbas-Gatos dos ultra-nacionais esperiamente!

Havia nas manhãs cheias de Sol do entusiasmo
as monções da ambição…
E as gigânteas!
As embarcações singravam rumo do abismal Descaminho…

Arroubos… Lutas… Setas… Cantigas… Povoar!…
Ritmos de Brecheret!… E a santificação da morte!…
Foram-se os ouros!… E o hoje das turmalinas!…

– Nadador! vamos partir pela via dum Mato-Grosso?
– Io! Mai!… (Mais dez braçadas.
Quina Migone. Hat Stores. Meia de seda.)
Vado a pranzare com la Ruth.

Publicações relacionadas

Quando eu Quando eu (Alberto Caeiro) Quando eu não te tinha Amava a Natureza como um ...
Oração Oração (Charles Pierre Baudelaire) T...
O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
O Sarcófago O Sarcófago (Augusto dos Anjos) Senhor da alta hermenêutica do Fado Perlustr...

Deixe uma resposta