Tietê

Print Friendly, PDF & Email

Tietê (Mário de Andrade)

Era uma vez um rio…
Porém os Borbas-Gatos dos ultra-nacionais esperiamente!

Havia nas manhãs cheias de Sol do entusiasmo
as monções da ambição…
E as gigânteas!
As embarcações singravam rumo do abismal Descaminho…

Arroubos… Lutas… Setas… Cantigas… Povoar!…
Ritmos de Brecheret!… E a santificação da morte!…
Foram-se os ouros!… E o hoje das turmalinas!…

– Nadador! vamos partir pela via dum Mato-Grosso?
– Io! Mai!… (Mais dez braçadas.
Quina Migone. Hat Stores. Meia de seda.)
Vado a pranzare com la Ruth.

Publicações relacionadas

Ouço dizer que contra mim foi ... Ouço dizer que contra mim foi alegado (Walt Whitman) Ouço dizer que contra mi...
As tuas mãos terminam em segre... As tuas mãos terminam em segredo (Fernando Pessoa) As tuas mãos terminam em ...
Baladas de uma outra terra Baladas de uma outra terra (Fernando Pessoa) Baladas de uma outra terra, alia...
Ode à mordaça Ode à mordaça (Mario Benedetti) Do livro "Inv...

Deixe uma resposta