Em pé

Print Friendly, PDF & Email

Em pé (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Continuo em pé
por pulsar
por costume
por não abrir a janela decisiva
e olhar de uma vez a insolente
morte
essa mansa dona da espera

continuo em pé
por preguiça nas despedidas
no fechamento e demolição
da memória

não é um mérito
outros desafiam
a claridade
o caos
ou a tortura

continuar em pé
quer dizer coragem

ou não ter
onde cair
morto.

Publicações relacionadas

À Capela do Almeida À Capela do Almeida (Castro Alves) GRATO oásis do viajante, Terra de lindos ...
As horas pela alameda As horas pela alameda (Fernando Pessoa) As horas pela alameda Arrastam ve...
Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Quando Tornar a Vir a Primaver... Quando Tornar a Vir a Primavera (Alberto Caeiro) Quando tornar a vir a Prima...

Deixe uma resposta