Em pé

Print Friendly, PDF & Email

Em pé (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Continuo em pé
por pulsar
por costume
por não abrir a janela decisiva
e olhar de uma vez a insolente
morte
essa mansa dona da espera

continuo em pé
por preguiça nas despedidas
no fechamento e demolição
da memória

não é um mérito
outros desafiam
a claridade
o caos
ou a tortura

continuar em pé
quer dizer coragem

ou não ter
onde cair
morto.

Publicações relacionadas

Velhas tristezas Velhas tristezas (Cruz e Souza) Diluências de luz, velhas tristezas ...
Deste Modo ou Daquele Modo Deste Modo ou Daquele Modo (Alberto Caeiro) ...
Quase Quase (Mário de Sá Carneiro) Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco m...
Abandonada Abandonada (Augusto dos Anjos) Ao meu irmão Odilon dos Anjos Bem depressa ...

Deixe uma resposta