Em pé

Print Friendly, PDF & Email

Em pé (Mario Benedetti)

Do livro “Inventário”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Continuo em pé
por pulsar
por costume
por não abrir a janela decisiva
e olhar de uma vez a insolente
morte
essa mansa dona da espera

continuo em pé
por preguiça nas despedidas
no fechamento e demolição
da memória

não é um mérito
outros desafiam
a claridade
o caos
ou a tortura

continuar em pé
quer dizer coragem

ou não ter
onde cair
morto.

Publicações relacionadas

Minha Finalidade Minha Finalidade (Augusto dos Anjos) Turbilhão teleológico incoercível, Que ...
Pecadora Pecadora (Augusto dos Anjos) Arte ingrata! E conquanto, em desalento, A órb...
A balada da água do mar A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca) ...
Ensinamento Ensinamento (Adélia Prado) Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mund...

Deixe uma resposta