Canto da estrada real – 15

Print Friendly, PDF & Email

Canto da estrada real – 15 (Walt Whitman)

Tradução de Mário Ferreira dos Santos

Vamos! O caminho está aberto à nossa frente!
Ele é seguro, eu já experimentei, meus pés já o provocam cuidadosamente: que nada te retenha!
Que as folhas fiquem abertas sobre a mesa, e os livros sem abrir em seu armário!
Que os instrumentos permaneçam nas oficinas! Que o dinheiro permaneça sem ser ganho!
Que repouse a escola! Não importam os brados dos mestres!
Que o pregador pregue em sua cátedra! Que arrazoe o advogado no tribunal, e o juiz exponha a lei.
Camarada, dá-me tua mão!
Eu te dou meu afeto mais precioso que o dinheiro,
eu te dou a mim mesmo em vez de prédicas e de leis.
Queres dar-te a mim? Queres seguir comigo?
Seguiremos juntos, um ao lado do outro, enquanto durarem nossas vidas!

Publicações relacionadas

Adiamento Adiamento (Álvaro de Campos) Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã... ...
Debussy Debussy (Manuel Bandeira) Para cá, para lá . . . Para cá, para lá . . . Um ...
Das coisas Das coisas (Paulo Leminski) que eu fiz a metro todos saberão quantos quilôm...
Elevação Elevação (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Eduardo Guimarães So...

Deixe uma resposta