Canto da estrada real – 15

Print Friendly, PDF & Email

Canto da estrada real – 15 (Walt Whitman)

Tradução de Mário Ferreira dos Santos

Vamos! O caminho está aberto à nossa frente!
Ele é seguro, eu já experimentei, meus pés já o provocam cuidadosamente: que nada te retenha!
Que as folhas fiquem abertas sobre a mesa, e os livros sem abrir em seu armário!
Que os instrumentos permaneçam nas oficinas! Que o dinheiro permaneça sem ser ganho!
Que repouse a escola! Não importam os brados dos mestres!
Que o pregador pregue em sua cátedra! Que arrazoe o advogado no tribunal, e o juiz exponha a lei.
Camarada, dá-me tua mão!
Eu te dou meu afeto mais precioso que o dinheiro,
eu te dou a mim mesmo em vez de prédicas e de leis.
Queres dar-te a mim? Queres seguir comigo?
Seguiremos juntos, um ao lado do outro, enquanto durarem nossas vidas!

Publicações relacionadas

Sinto Sinto (Federico Garcia Lorca) (1921)...
O homem público N. 1 (Antologi... O homem público N. 1 (Antologia) (Ana Cristina Cesar) Tarde aprendi bom mes...
Asa de Corvo Asa de Corvo (Augusto dos Anjos) Asa de corvos carniceiros, asa De mau agour...
O espectro O espectro (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Theophilo Dias Como es...

Deixe uma resposta