Uma Gargalhada

Print Friendly, PDF & Email

Uma Gargalhada (Alberto Caeiro)

Uma Gargalhada de rapariga soa do ar da estrada.
Riu do que disse quem não vejo.
Lembro-me já que ouvi.
Mas se me falarem agora de uma gargalhada de rapariga da estrada,
Direi: não, os montes, as terras ao sol o sol, a casa aqui,
E eu que só oiço o ruído calado do sangue que há na minha vida dos dois lados da cabeça

Publicações relacionadas

Namoro a Cavalo Namoro a Cavalo (Álvares de Azevedo) Eu moro em Catumbi. Mas a desgraça Que...
Versos de amor Versos de amor (Augusto dos Anjos) ...
Embriaga-te Embriaga-te (Charles Pierre Baudelaire) Deve- se estar sempre bêbado. É a úni...
Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta