Carnal e místico

Print Friendly, PDF & Email

Carnal e místico (Cruz e Souza)

Pelas regiões tenuíssimas da bruma
Vagam as Virgens e as Estrelas raras…
Como que o leve aroma das searas
Todo o horizonte em derredor perfume.

N’uma evaporação de branca espuma
Vão diluindo as perspectives claras…
Com brilhos crus e fúlgidos de tiaras
As Estrelas apagam-se uma a uma.

E então, na treva, em místicas dormências
Desfila, com sidéreas lactescências,
Das Virgens o sonâmbulo cortejo…

Ó Formas vagas, nebulosidades!
Essência das eternas virgindades!
Ó intensas quimeras do Desejo…

Publicações relacionadas

As litanias de Satã (2) As litanias de Satã (2) (Charles Pierre Baudelaire) ...
As coisas As coisas (Arnaldo Antunes) As coisas têm peso, massa, volume, tamanho,...
Soledades Soledades (Mario Benedetti) Ellos tienen razón esa felicidad al menos con...
Anelo Anelo (Johann Wofgang von Goethe) Tradução de Manuel Bandeira Só aos sáb...

Deixe uma resposta