A lenda da prostituta Evlyn Roe

Print Friendly, PDF & Email

A lenda da prostituta Evlyn Roe (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza

Quando veio a primavera e o mar ficou azul
A bordo chegou
Com a última canoa
A jovem Evlyn Roe.

Usava um pano sobre o corpo
Que era bonito, bem vistoso.
Não tinha ouro ou ornamento
Exceto o cabelo generoso.

Seu Capitão, leve-me à Terra Santa
Tenho que ver Jesus Cristo.
Venha junto, pois somos tolos, e é uma mulher
Como não temos visto.

Ele recompensará. Sou uma pobre garota.
Minha alma pertence a Jesus.
Então pode nos dar seu corpo!
Pois o seu senhor não pode pagar:
Ele já morreu, dizem que na cruz.

Eles navegaram com sol e vento
E Evlyn Roe amaram.
Ela comia seu pão e bebia seu vinho
E nisso sempre chorava.

Eles dançavam à noite, dançavam de dia
Não cuidavam do timão.
Evlyn Roe era tímida e suave:
Eles eram duros e sem coração.

A primavera se foi. O verão acabou.
Ela à noite corria, os pés em sujas sapatilhas
De um mastro a outro, olhando no breu
procurando praias tranqüilas
A pobre Evlyn Roe.

Ela dançava à noite, dançava de dia.
E ficou quase doente, cansada.
Seu Capitão, quando chegaremos
À Cidade Sagrada?

O capitão estava em seu colo
E sorrindo a beijou:
De quem é a culpa, se nunca chegamos
Só pode ser de Evlyn Roe.

Ela dançava á noite, dançava de dia
Até ficar inteiramente esgotada.
Do capitão ao mais novo grumete
Todos estavam dela saciados.

Usava um vestido de seda
Com uns rasgões e remendos
E na fronte desfigurada tinha
Uma mecha de cabelos sebentos.

Nunca Te verei, Jesus
Com esse corpo pecador.
A uma puta qualquer
Não podes dar Teu amor.

De um lado para outro corria
Os pés e o coração lhe começavam a pesar:
Uma noite, já quando ninguém via
Uma noite desceu para o mar.

Isto se deu no fim de janeiro
Ela nadou muito tempo no frio
A temperatura aumenta, os ramos florescem
Somente em março ou abril.

Abandonou-se às ondas escuras
Que a lavaram por dentro e por fora.
Chegará antes à Terra Sagrada
Pois o capitão ainda demora.

Ao chegar ao céu, já na primavera
S.Pedro, na porta, a recusou:
Deus me disse: Não quero aqui
A prostituta Evlyn Roe.

E ao chegar ao inferno
O portão fechado encontrou:
O Diabo gritou: Não quero aqui
A beata Evlyn Roe.

Assim vagou no vento e no espaço
E nunca mais parou
Num fim de tarde eu a vi passar no campo:
Tropeçava muito. Não encontrava descanso
A pobre Evlyn Roe.

Publicações relacionadas

Cinco horas Cinco horas (Mário de Sá Carneiro) Minha mesa no Café, Quero-lhe tanto... ...
Adeus, Meus Sonhos! Adeus, Meus Sonhos! (Álvares de Azevedo) Adeus, meus sonhos, eu pranteio e mo...
Ensinamento Ensinamento (Adélia Prado) Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mund...
A educação pela pedra A educação pela pedra (João Cabral de Melo Neto) Uma educação pela pedra: por...

Deixe uma resposta