Carta ao Acaso

Print Friendly, PDF & Email

Carta ao Acaso (Paulo Leminski)

a carta do baralho
grande gilete
corta sem barulho
o olho do valete
o rei a fio de espada
a água e a farinha
uma só passada
a espada na rainha.

Publicações relacionadas

Regenerada Regenerada (Augusto dos Anjos) De mãos postas, à luz de frouxos círios ...
Poema esquisito Poema esquisito (Adélia Prado) Dói-me a cabeça aos trinta e nove anos. Não ...
Expectativas Expectativas (Mario Benedetti) Do livro "Per...
Começa a ir ser dia Começa a ir ser dia (Fernando Pessoa) Começa a ir ser dia, O céu negro come...

Deixe uma resposta