O tonel do ódio

Print Friendly, PDF & Email

O tonel do ódio (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Alvaro Reis

O ódio é como o tonel das Danaides perjuras;
Febrilmente, a Vingança, os braços retesados,
Desse vácuo arremessa a solidões escuras,
baldes cheios do pranto e sangue dos finados…

Nesse antro o Diabo fez secretas aberturas,
Por onde sem cessar, esforços prolongados
Se escoariam… pudesse a Vingança, em diabruras,
Dar vida aos mortos para ainda serem sangrados!

O ódio é um bêbado vil num canto da taverna!
Sempre sentindo mais a sede da bebida,
A se multiplicar, bem como a hidra de Lerna…

Mas, sabe o ébrio, feliz quem o traz subjugado;
Enquanto o ódio é coagido a esta sorte, na vida,
De não poder, jamais, dormir embebedado!

Publicações relacionadas

El alba denominadora El alba denominadora (Rafael Alberti) A embestidas suaves y rosas, la mad...
Quando entre nós só havia uma ... Quando entre nós só havia uma carta (Ana Cristina Cesar) Quando entre nós só ...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
um bom poema um bom poema (Paulo Leminski) leva anos cinco jogando bola, mais cinco estu...

Deixe uma resposta