O tonel do ódio

Print Friendly, PDF & Email

O tonel do ódio (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Alvaro Reis

O ódio é como o tonel das Danaides perjuras;
Febrilmente, a Vingança, os braços retesados,
Desse vácuo arremessa a solidões escuras,
baldes cheios do pranto e sangue dos finados…

Nesse antro o Diabo fez secretas aberturas,
Por onde sem cessar, esforços prolongados
Se escoariam… pudesse a Vingança, em diabruras,
Dar vida aos mortos para ainda serem sangrados!

O ódio é um bêbado vil num canto da taverna!
Sempre sentindo mais a sede da bebida,
A se multiplicar, bem como a hidra de Lerna…

Mas, sabe o ébrio, feliz quem o traz subjugado;
Enquanto o ódio é coagido a esta sorte, na vida,
De não poder, jamais, dormir embebedado!

Publicações relacionadas

Aurora Aurora (Adolfo Casais Monteiro) A poesia não é voz - é uma inflexão. Dizer,...
Poema da Gare de Astapovo Poema da Gare de Astapovo (Mário Quintana) O velho Leon Tolstoi fugiu de casa...
Já que me põem a tormento Já que me põem a tormento (Gregório de Matos) Já que me põem a tormento mur...
Navegar é Preciso Navegar é Preciso (Fernando Pessoa) Navegadores antigos tinham uma frase glor...

Deixe uma resposta