O céu

Print Friendly, PDF & Email

O céu (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Wenceslau de Queiroz

Por onde quer que vá, sobre o mar, sobre a terra,
Morador da cidade ou do campo distante,
No côncavo de um vale ou no alto de uma serra,
Sob um clima de gelo ou sob um sol flamante,

Mendigo tenebroso ou Creso rutilante,
Quer se conserve em paz, quer se destrua em guerra,
– O Homem cai a tremer, em qualquer parte, diante
Do mistério que o céu, – trágico abismo, – encerra…

Sempre o céu! sempre o céu! – teto que se ilumina,
No teatro do mundo em que o Homem representa
– Mascarado histrião! – a comédia divina;

Em que o Homem, – pobre ator, cheio de desenganos, –
Das paixões arrostando a terrível tormenta,
Chora, blasfema e ri – há mais de dez mil anos…

Publicações relacionadas

Octavio Paz: o último mandarim... Octavio Paz: o último mandarim intelectual (Octavio Paz) Tradução de Ma...
Navio que Partes Navio que Partes (Alberto Caeiro) Navio que partes para longe, Por que é ...
Problemas del subdesarrollo Problemas del subdesarrollo (Nicolás Guillén) De...
Se te queres matar Se te queres matar (Álvaro de Campos) Se te queres ma...

Deixe uma resposta