O céu

Print Friendly, PDF & Email

O céu (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Wenceslau de Queiroz

Por onde quer que vá, sobre o mar, sobre a terra,
Morador da cidade ou do campo distante,
No côncavo de um vale ou no alto de uma serra,
Sob um clima de gelo ou sob um sol flamante,

Mendigo tenebroso ou Creso rutilante,
Quer se conserve em paz, quer se destrua em guerra,
– O Homem cai a tremer, em qualquer parte, diante
Do mistério que o céu, – trágico abismo, – encerra…

Sempre o céu! sempre o céu! – teto que se ilumina,
No teatro do mundo em que o Homem representa
– Mascarado histrião! – a comédia divina;

Em que o Homem, – pobre ator, cheio de desenganos, –
Das paixões arrostando a terrível tormenta,
Chora, blasfema e ri – há mais de dez mil anos…

Publicações relacionadas

Você e nós Você e nós (Mario Benedetti) Tradução Vocês quando amam exigem bem estar ...
À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...
No segundo ano de minha fuga No segundo ano de minha fuga (Bertold Brecht) No segundo ano de minha fuga L...
Regina Coeli Regina Coeli (Cruz e Souza) Ó Virgem branca, Estrela dos altares, ...

Deixe uma resposta