A descoberta

Print Friendly, PDF & Email

A descoberta (Oswald de Andrade)

Seguimos nosso caminho por este mar de longo
Até a oitava da Páscoa
Topamos aves
E houvemos vista de terra
os selvagens
Mostraram-lhes uma galinha
Quase haviam medo dela
E não queriam por a mão
E depois a tomaram como espantados
primeiro chá
Depois de dançarem
Diogo Dias
Fez o salto real
as meninas da gare
Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha.

Publicações relacionadas

A morte absoluta A morte absoluta (Manuel Bandeira) Morrer. Morrer de corpo e de alma. Compl...
Sou meu hóspede Sou meu hóspede (Mario Benedetti) Do livro "...
Poema Sujo – um fragment... Poema Sujo - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) Mas na cidade havi...
Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta