A descoberta

Print Friendly, PDF & Email

A descoberta (Oswald de Andrade)

Seguimos nosso caminho por este mar de longo
Até a oitava da Páscoa
Topamos aves
E houvemos vista de terra
os selvagens
Mostraram-lhes uma galinha
Quase haviam medo dela
E não queriam por a mão
E depois a tomaram como espantados
primeiro chá
Depois de dançarem
Diogo Dias
Fez o salto real
as meninas da gare
Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha.

Publicações relacionadas

Espelho Espelho (Mário Quintana) Por acaso, surpreendo-me no espelho: Quem é esse qu...
Coito Coito (Ferreira Gullar) Todos os movimentos do amor são noturn...
Balada das dez bailarinas do c... Balada das dez bailarinas do cassino (Cecília Meireles) Dez bailarinas desliz...
Guitarra Guitarra (Nicolás Guillén) Tendida en la madrugada, la firme guitarra esper...

Deixe uma resposta