É muito claro

Print Friendly, PDF & Email

É muito claro (Ana Cristina Cesar)

é muito claro
amor
bateu
para ficar
nesta varanda descoberta
a anoitecer sobre a cidade
em construção
sobre a pequena constrição
no teu peito
angústia de felicidade
luzes de automóveis
riscando o tempo
canteiros de obras
em repouso
recuo súbito da trama.

Publicações relacionadas

Dizes-me Dizes-me (Alberto Caeiro) Dizes-me: tu és mais alguma cousa Que uma p...
Españolito Españolito (Antonio Machado) Ya hay un español que quiere vivir y a vivir em...
A velha izerguil A velha izerguil (Máximo Gorki) Ouvi estes relatos perto de Akkerman, na Bess...
Consulta Consulta (Antero de Quental) de ...

Deixe uma resposta