Sonho Branco

Print Friendly, PDF & Email

Sonho Branco (Cruz e Souza)

De linho e rosas brancas vais vestido,
Sonho virgem que cantas no meu peito!…
És do Luar o claro deus eleito,
Das estrelas puríssimas nascido.

Por caminho aromal, enflorescido,
Alvo, sereno, límpido, direito,
Segues radiante, no esplendor perfeito,
No perfeito esplendor indefinido…

As aves sonorizam-te o caminho…
E as vestes frescas, do mais puro linho
E as rosas brancas dão-te um ar nevado…

No entanto, Ó Sonho branco de quermesse!
Nessa alegria em que tu vais, parece
Que vais infantilmente amortalhado!

Publicações relacionadas

O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
Acordo de Noite Acordo de Noite (Alberto Caeiro) De O...
O frasco O frasco (Charles Pierre Baudelaire) ...
Murmúrio Murmúrio (Cecília Meireles) Traze-me um pouco das sombras serenas que as nu...

Deixe uma resposta