Minha boemia

Print Friendly, PDF & Email

Minha boemia (Arthur Rimbaud)

Tradução de Jorge Wanderley

Eu caminhava, as mãos nos bolsos desgastados;
Também meu paletó fazia-se ideal;
Ia sob o céu, Musa! e era o amante leal!
Ah, que esplêndido amor o que então foi sonhado!

Meus únicos calções tinham um grande furo.
– Pequeno Polegar que entre rimas discursa,
Via minha taverna às margens da Grande-Ursa.
E os astros – todos meus – sussurravam no escuro!

Sentado eu escutava, à beira dos caminhos,
As meigas noites de setembro; e tinha o vinho
Do orvalho sobre a fronte – ó tônico perfeito!

E ali rimas tecia entre vultos fantásticos,
Com a minha lira – meu sapato e seus elásticos
Que eu fazia vibrar, tendo um pé contra o peito!

Publicações relacionadas

Ultimo Credo Ultimo Credo (Augusto dos Anjos) Como ama o homem adúltero o adultério E o é...
Musa traviesa Musa traviesa (José Martí) Mi musa? Es un diablillo Contándolo, me inunda Co...
Ninguém me Habita Ninguém me Habita (Thiago de Mello Ninguém me habita. A não ser o milagre d...
Carnal e místico Carnal e místico (Cruz e Souza) Pelas regiões tenuíssimas da bruma ...

Deixe uma resposta