Octavio Paz: o último mandarim intelectual

Print Friendly, PDF & Email

Octavio Paz: o último mandarim intelectual (Octavio Paz)

Tradução de Magno Dadonas

Domingo, 26 de abril de 1998
Mario Vargas Llosa
Los Angeles Times Book Review

BERLIM – Com a morte de Octavio Paz, a cultura de nossos tempos perde um poeta e pensador excepcionais. Embora com profundas raízes no México, seu país natal, a obra dele transcende fronteiras nacionais e abarca a cultura ocidental, enriquecida com imagens, idéias, argumentos e invenções que deixaram marca indelével na criação poética, na arte e na crítica literária, na análise histórico-social e no debate político.

No mundo de fala espanhola, Octavio Paz foi o último mandarim intelectual, no estilo de Jean- Paul Sartre e Albert Camus na França, José Ortega y Gasset na Espanha ou Alfonso Reyes no México (Ortega e Reyes foram professores de Paz – no sentido mais amplo do termo – e ele escreveu lúcidos ensaios sobre ambos).
Tal como todos esses homens, Paz foi um humanista, motivado pela curiosidade universal e por uma cultura cosmopolita que o levaram a escrever sobre os mais diversos temas e tornar-se a consciência viva de sua era, um ponto de referência em cada momento crítico, fosse ele um conflito ideológico, uma polêmica sobre estética ou um dilema moral.
O surrealismo despertou seu entusiasmo na primeira fase, mas sua poesia evoluiu e acabou explorando todas as vias da vanguarda e as experiências pós-modernas. Sua poesia também se apropriou das tradições francesa, inglesa e espanhola e até da indiana, chinesa e japonesa, culturas com as quais ele se familiarizou nos anos em que foi embaixador do México na Índia.

Paz renunciou ao cargo em 1968, quando ocorreu o massacre na Praça das Três Culturas (Tlatelolco), no México. Esse gesto revela outro aspecto fundamental de Octavio Paz: sua integridade cívica e sua ciosa defesa da liberdade e da democracia contra todas as ideologias totalitárias, de direita ou de esquerda.
Num de seus mais festejados livros, O Ogro Filantrópico (1979), ele tomou como exemplo o partido governista do México, o Partido Revolucionário Institucional (PRI), e sua ditadura dissimulada – mais de 70 anos no México.
Com admirável perspicácia, Paz dissecou os mecanismos que o totalitarismo e os regimes autoritários usam para asfixiar a cultura e destruir a soberania cívica.

Cultura da liberdade – Ao contrário da maioria dos grandes escritores de sua geração, Paz nunca sucumbiu ao canto de sereia do marxisno; e, mesmo nos anos 50 e 60, quando o dilema dos intelectuais à sua volta parecia ser a escolha entre o comunismo e o fascismo, Paz – junto com Albert Camus – teve a coragem de combater as correntes em voga.
Apesar da hostilidade que seus adversários ideológicos provocaram em torno dele, Paz continuou pregando a superioridade da cultura da liberdade contra seus inimigos. As revistas que ele editou, principalmente a que ele dirigiu nos últimos 20 anos, Vuelta, sempre foram uma tribuna cívica a partir da qual a censura, o dogmatismo, a ditadura, o terrorismo político ou intelectual foram condenados e a tolerância, o pluralismo e a escolha democrática, defendidos.
Não existe hoje no mundo de fala espanhola ninguém capaz de preencher o vazio que Octavio Paz deixou.

Mario Vargas Llosa é autor de vários livros, entre eles `Tia Júlia e o Escrevinhador’ e `Os Diários D. Rigoberto’. Este artigo foi traduzido do espanhol para o inglês por Alfred Mac Adam.

Publicações relacionadas

Pardalzinho Pardalzinho (Manuel Bandeira) O pardalzinho nasceu Livre. Quebraram-lhe a as...
Cabra Marcado para Morrer Cabra Marcado para Morrer (Ferreira Gullar) Essa guerra do Nordeste não mata...
Árvores do Alentejo Árvores do Alentejo (Florbela Espanca) Horas mortas... curvadas aos pés do Mo...
Creio Creio (Alberto Caeiro) Creio que irei morrer. Mas o sentido de morrer n...

Deixe uma resposta