Soneto da separação

Print Friendly, PDF & Email

Soneto da separação (Vinicius de Moraes

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Publicações relacionadas

Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXVII (Pablo Neruda) Desnuda eres tan simple como una ...
Canto negro Canto negro (Nicolás Guillén) De Sóngoro cosongo ...
La cogida y la muerte La cogida y la muerte (Federico Garcia Lorca) La luna vino a la fragua con s...
Louvor a Unidade Louvor a Unidade (Augusto dos Anjos) Escafandros, arpões, sondas e agulhas D...

Deixe uma resposta