Soneto da separação

Print Friendly, PDF & Email

Soneto da separação (Vinicius de Moraes

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Publicações relacionadas

Aninha e suas pedras Aninha e suas pedras (Cora Coralina) (Outubro, 198...
Clearly Non-Campos! Clearly Non-Campos! (Álvaro de Campos) Não sei qual é o sentimento, ainda ine...
Os deslimites da palavra Os deslimites da palavra (Manoel de Barros) Ando muito completo de vazios. M...
Soledades XI Soledades XI (Antonio Machado) Yo voy soñando caminos de la tarde. ¡Las ...

Deixe uma resposta