Soneto da separação

Print Friendly, PDF & Email

Soneto da separação (Vinicius de Moraes

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Publicações relacionadas

Explicação de poesia sem ningu... Explicação de poesia sem ninguém pedir (Adélia Prado) Um trem-de-ferro é uma ...
Para ler de manhã e à noite Para ler de manhã e à noite (Bertold Brecht) Aquele que amo Disse-me Que pr...
Com você Com você (Walt Whitman) Desconhecido, se você vier passando e der comigo e m...
Chove. É dia de Natal Chove. É dia de Natal (Fernando Pessoa) Chove. É dia de Natal. Lá para o No...

Deixe uma resposta