Se minhas mãos pudessem desfolhar

Print Friendly, PDF & Email

Se minhas mãos pudessem desfolhar (Federico Garcia Lorca)

(10 de novembro de 1919, Granada)

Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.

E eu me sinto oco
de paixão e de música.
Louco relógio que canta
mortas horas antigas.

Eu pronuncio teu nome,
nesta noite escura,
e teu nome me soa
mais distante que nunca.
Mais distante que todas as estrelas
e mais dolente que a mansa chuva.

Amar-te-ei como então
alguma vez? Que culpa
tem meu coração?
Se a névoa se esfuma,
que outra paixão me espera?
Será tranqüila e pura?
Se meus dedos pudessem
desfolhar a lua!!

Publicações relacionadas

Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XVII (Pablo Neruda) No te amo como si fueras rosa de s...
O relógio O relógio (João Cabral de Melo Neto) 1. Ao redor da vida do h...
A morte de Rubén Darío A morte de Rubén Darío (Antonio Machado) Tradução Se era toda em teu verso...
Parâmetro Parâmetro (Adélia Prado) Deus é mais belo que eu. E não é jovem. Isto sim, ...

Deixe uma resposta