Poema da Gare de Astapovo

Print Friendly, PDF & Email

Poema da Gare de Astapovo (Mário Quintana)

O velho Leon Tolstoi fugiu de casa aos oitenta anos
E foi morrer na gare de Astapovo!
Com certeza sentou-se a um velho banco,
Um desses velhos bancos lustrosos pelo uso
Que existem em todas as estaçõezinhas pobres do mundo
Contra uma parede nua…
Sentou-se …e sorriu amargamente
Pensando que
Em toda a sua vida
Apenas restava de seu a Gloria,
Esse irrisório chocalho cheio de guizos e fitinhas
Coloridas
Nas mãos esclerosadas de um caduco!
E entao a Morte,
Ao vê-lo tao sozinho aquela hora
Na estação deserta,
Julgou que ele estivesse ali a sua espera,
Quando apenas sentara para descansar um pouco!
A morte chegou na sua antiga locomotiva
(Ela sempre chega pontualmente na hora incerta…)
Mas talvez não pensou em nada disso, o grande Velho,
E quem sabe se ate não morreu feliz: ele fugiu…
Ele fugiu de casa…
Ele fugiu de casa aos oitenta anos de idade…
Não são todos que realizam os velhos sonhos da infância!

Publicações relacionadas

O Mar O Mar (Augusto dos Anjos) O mar é triste como um cemitério, Cada rocha é uma...
Falas de Civilização Falas de Civilização (Alberto Caeiro) Falas de civilização, e de não dever s...
Digo que não sou um homem puro... Digo que não sou um homem puro (Nicolás Guillén) ...
Carnal e místico Carnal e místico (Cruz e Souza) Pelas regiões tenuíssimas da bruma ...

Deixe uma resposta