Felicidade clandestina (trecho)

Print Friendly, PDF & Email
Felicidade clandestina(Clarice Lispecto)

” Às vezes sentava-se na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.”

“As palavras me antecedem e ultrapassam, elas me tentam e me modificam, e se não tomo cuidado será tarde demais: as coisas serão ditas sem eu as ter dito.”

” Irritava-me que ele obrigasse uma porcaria de criança a compreender um homem.”

“Suponho que, arbitrariamente contrariando o sentido real da história, eu de algum modo já me prometia por escrito que o ócio, mais que o trabalho, me daria as grandes recompensas gratuitas, as únicas a que eu aspirava. ”

” Ficar às vezes quieto, sem quase pensar, e apenas sentir – era tão bom.”

” Passamos afinal à mesa para um almoço que não tinha a benção da fome.”

Publicações relacionadas

Lembrem de mim Lembrem de mim (Paulo Leminski) lembrem de mim como de um que ouvia a chu...
Dolências (Oh! Lua morta de mi... Dolências (Oh! Lua morta de minha vida) (Augusto dos Anjos) Oh! Lua morta de ...
Zero Zero (Mario Benedetti) Do livro "Perguntas a...
Não te salves Não te salves (Mario Benedetti) Não fiques parado a beira do caminho, não c...

Deixe uma resposta