Felicidade clandestina (trecho)

Print Friendly, PDF & Email
Felicidade clandestina(Clarice Lispecto)

” Às vezes sentava-se na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.”

“As palavras me antecedem e ultrapassam, elas me tentam e me modificam, e se não tomo cuidado será tarde demais: as coisas serão ditas sem eu as ter dito.”

” Irritava-me que ele obrigasse uma porcaria de criança a compreender um homem.”

“Suponho que, arbitrariamente contrariando o sentido real da história, eu de algum modo já me prometia por escrito que o ócio, mais que o trabalho, me daria as grandes recompensas gratuitas, as únicas a que eu aspirava. ”

” Ficar às vezes quieto, sem quase pensar, e apenas sentir – era tão bom.”

” Passamos afinal à mesa para um almoço que não tinha a benção da fome.”

Publicações relacionadas

Insânia de um Simples Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos) Em cismas patológicas insanas, É-m...
Duas Estrofes Duas Estrofes (Augusto dos Anjos) A queda do teu lírico arrabil De um sentim...
Erro de português Erro de português (Oswald de Andrade) Quando o português chegou Debaixo de u...
Nada, esta espuma Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar) Por afrontamento do desejo insisto n...

Deixe uma resposta