Samba – canção

Print Friendly, PDF & Email

Samba-canção (Ana Cristina Cesar)

Tantos poemas que perdi.
Tantos que ouvi, de graça,
pelo telefone – taí,
eu fiz tudo por você gostar,
fui mulher vulgar,
meia-bruxa, meia-fera,
risinho modernista
arranhado na garganta,
malandra, bicha,
bem viada, vândala,
talvez maquiavélica,
e um dia emburrei-me,
vali-me de mesuras
(era uma estratégia),
fiz comércio, avara,
embora um pouco burra,
porque inteligente me punha
logo rubra, ou ao contrário, cara
pálida que desconhece
o próprio cor-de-rosa.
e tantas fiz, talvez
querendo a glória, a outra
cena à luz de spots,
talvez apenas teu carinho,
mas tantas, tantas fiz…

Publicações relacionadas

Vintém de Cobre Vintém de Cobre (Cora Coralina) (Freudian...
Pedrinhas na janela Pedrinhas na janela (Mario Benedetti) Do liv...
A balada da água do mar A balada da água do mar (Federico Garcia Lorca) ...
Dialética Dialética (Vinicius de Moraes É claro que a vida é boa E a alegria, a única...

Deixe uma resposta