Pastor do Monte

Print Friendly, PDF & Email

Pastor do Monte (Alberto Caeiro)

Pastor do monte, tão longe de mim com as tuas ovelhas
Que felicidade é essa que pareces ter — a tua ou a minha?
A paz que sinto quando te vejo, pertence-me, ou pertence-te?
Não, nem a ti nem a mim, pastor.
Pertence só à felicidade e à paz.
Nem tu a tens, porque não sabes que a tens.
Nem eu a tenho, porque sei que a tenho.
Ela é ela só, e cai sobre nós como o sol,
Que te bate nas costas e te aquece, e tu pensas
noutra cousa indiferentemente,
E me bate na cara e me ofusca. e eu só penso no sol.

Publicações relacionadas

A caridade A caridade (Augusto dos Anjos) No universo a caridade Em contraste ao vício ...
O relógio O relógio (João Cabral de Melo Neto) 1. Ao redor da vida do h...
Idealismo Idealismo (Augusto dos Anjos) Falas de amor, e eu ouço tudo e calo! O amor d...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - II (Oscar Wilde) CAPÍTULO II Naquela noite a tempes...

Deixe uma resposta