Pastor do Monte

Print Friendly, PDF & Email

Pastor do Monte (Alberto Caeiro)

Pastor do monte, tão longe de mim com as tuas ovelhas
Que felicidade é essa que pareces ter — a tua ou a minha?
A paz que sinto quando te vejo, pertence-me, ou pertence-te?
Não, nem a ti nem a mim, pastor.
Pertence só à felicidade e à paz.
Nem tu a tens, porque não sabes que a tens.
Nem eu a tenho, porque sei que a tenho.
Ela é ela só, e cai sobre nós como o sol,
Que te bate nas costas e te aquece, e tu pensas
noutra cousa indiferentemente,
E me bate na cara e me ofusca. e eu só penso no sol.

Publicações relacionadas

Inconstância dos bens do mundo... Inconstância dos bens do mundo (Gregório de Matos) Nasce o Sol, e não dura ma...
De profundis clamavi De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire) ...
Os Estatutos do Homem Os Estatutos do Homem (Thiago de Mello (Ato Institucional Permanente) ...
Pé Dentro, Pé Fora Pé Dentro, Pé Fora (Mário de Andrade) ...

Deixe uma resposta