Budismo Moderno

Print Friendly, PDF & Email

Budismo Moderno (Augusto dos Anjos)

Tome, Dr., esta tesoura e… corte
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia roa
Todo o meu coração, depois da morte?!

Ah! Um urubu pousou em minha sorte!
Também, das diatomácias da lagoa
A criptógama cápsula se esbroa
Ao contacto de bronca destra forte!

Dissolva-se, portanto, minha vida
Igualmente a uma célula caída
Na aberração de um óvulo infecundo;

Mas o agregado abstrato das saudades
Fique batendo nas perpétuas grades
Do último verso que eu fizer no mundo!

Publicações relacionadas

Irene no céu Irene no céu (Manuel Bandeira) Irene preta Irene boa Irene sempre de bom hu...
Ontem o Pregador Ontem o Pregador (Alberto Caeiro) Ontem o pregador de verdades dele F...
Torre de ouro Torre de ouro (Cruz e Souza) Desta torre desfraldam-se altaneiras, ...
Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...

Deixe uma resposta