Arraiada

Print Friendly, PDF & Email

Arraiada (Mário de Andrade)

Manhãnzinha
A italiana vem na praia do ribeirão.
Vem derreada e com a sombra do sono no canto dos olhos.

Pões a trouxa de roupas na lapa
E erguida fica um momentinho assim no Sol
A narina dela mexe que nem peito de rolinha
Mastiga a boca sem lavar
Que tem um visgo de banana e de café.
Respira.
Afinal se espreguiça
Erguendo pros anjos o colo criador.

Publicações relacionadas

Abandonada Abandonada (Augusto dos Anjos) Ao meu irmão Odilon dos Anjos Bem depressa ...
Vilegiatura Vilegiatura (Álvaro de Campos) O sossego da noite, na vilegiatura do alto; O...
Se Se (Paulo Leminski) se nem for terra se trans for mar.
Guitarra del meson Guitarra del meson (Antonio Machado) Guitarra del Mesón que hoy suenas jota, ...

Deixe uma resposta