Arraiada

Print Friendly, PDF & Email

Arraiada (Mário de Andrade)

Manhãnzinha
A italiana vem na praia do ribeirão.
Vem derreada e com a sombra do sono no canto dos olhos.

Pões a trouxa de roupas na lapa
E erguida fica um momentinho assim no Sol
A narina dela mexe que nem peito de rolinha
Mastiga a boca sem lavar
Que tem um visgo de banana e de café.
Respira.
Afinal se espreguiça
Erguendo pros anjos o colo criador.

Publicações relacionadas

2º Soneto à morte de Afonsos B... 2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca (Gregório de Matos) Alma genti...
Cruzou por mim, veio ter comig... Cruzou por mim, veio ter comigo, numa rua da Baixa (Álvaro de Campos) Cruzou ...
Ricardo Reis Ricardo Reis (1914-1935) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: Um ...
Viagem de um vencido Viagem de um vencido (Augusto dos Anjos) Noite. Cruzes na estrada. Aves com f...

Deixe uma resposta