Arraiada

Print Friendly, PDF & Email

Arraiada (Mário de Andrade)

Manhãnzinha
A italiana vem na praia do ribeirão.
Vem derreada e com a sombra do sono no canto dos olhos.

Pões a trouxa de roupas na lapa
E erguida fica um momentinho assim no Sol
A narina dela mexe que nem peito de rolinha
Mastiga a boca sem lavar
Que tem um visgo de banana e de café.
Respira.
Afinal se espreguiça
Erguendo pros anjos o colo criador.

Publicações relacionadas

Um cinturão Um cinturão (Graciliano Ramos) As minhas primeiras relações com a justiça for...
O pressentimento O pressentimento (Federico Garcia Lorca) (10 de ...
As horas pela alameda As horas pela alameda (Fernando Pessoa) As horas pela alameda Arrastam ve...
Dolências (Oh! Lua morta de mi... Dolências (Oh! Lua morta de minha vida) (Augusto dos Anjos) Oh! Lua morta de ...

Deixe uma resposta