Arraiada

Print Friendly, PDF & Email

Arraiada (Mário de Andrade)

Manhãnzinha
A italiana vem na praia do ribeirão.
Vem derreada e com a sombra do sono no canto dos olhos.

Pões a trouxa de roupas na lapa
E erguida fica um momentinho assim no Sol
A narina dela mexe que nem peito de rolinha
Mastiga a boca sem lavar
Que tem um visgo de banana e de café.
Respira.
Afinal se espreguiça
Erguendo pros anjos o colo criador.

Publicações relacionadas

Puente Puente (Nicolás Guillén) De Odas Mínimas ¿Lejos? ...
Cotovia Cotovia (Manuel Bandeira) — Alô, cotovia! Aonde voaste, Por onde an...
Carta ao Acaso Carta ao Acaso (Paulo Leminski) a carta do baralho grande gilete corta sem ...
Madrugada Madrugada (Adolfo Casais Monteiro) Ah! Este poema das madrugadas, que há tant...

Deixe uma resposta