Arraiada

Print Friendly, PDF & Email

Arraiada (Mário de Andrade)

Manhãnzinha
A italiana vem na praia do ribeirão.
Vem derreada e com a sombra do sono no canto dos olhos.

Pões a trouxa de roupas na lapa
E erguida fica um momentinho assim no Sol
A narina dela mexe que nem peito de rolinha
Mastiga a boca sem lavar
Que tem um visgo de banana e de café.
Respira.
Afinal se espreguiça
Erguendo pros anjos o colo criador.

Publicações relacionadas

Canção da Parada do Lucas Canção da Parada do Lucas (Manuel Bandeira) Parada do Lucas — O trem não par...
Falas de Civilização Falas de Civilização (Alberto Caeiro) Falas de civilização, e de não dever s...
Um cinturão Um cinturão (Graciliano Ramos) As minhas primeiras relações com a justiça for...
Horas vivas Horas vivas (Machado de Assis) Noite: abrem-se as flores . . . Que esplend...

Deixe uma resposta