P.M.S.L.

Print Friendly, PDF & Email

P.M.S.L. (Ferreira Gullar)

Impossivel é não odiar
estas manhãs sem teto
e as valsas
que banalizam a morte

Tudo que fácil se
dá quer negar-nos. Teme
o lúdibrio dos corolas.
Na orquídea busca a orquídea
que não é apenas o fátuo
cintilar das pétalas: busca a móvel
orquídea: ela caminha em si, é
contínuo negar-se no seu fogo, seu
arder é deslizar.

Vê o céu. Mais
que azul, ele é o nosso
sucessivo morer. Ácido
céu.
Tudo se retrai, e a teu amor
oferta um disfarce de si. Tudo
odeia se dar. Conheces a água?
ou apenas o som do que ela
finge?

Não te aconselho o amor. O amor
é fácil e triste. Não se ama
no amor, senão
o seu próprio findar.
Eis o que somos: o nosso
tédio de ser.

despreza o mar acessível
que nas praias se entrega, e
o das galeras de susto; despreza o mar
que amas, e só assim terás
o exato inviolável
mar autêntico!

O girassol
vê com assombro
que só a sua precariedade
floresce. Mas esse
assonbro é que é ele, em verdade.

Saber-se
fonte única de si
alucina.

Sublime, pois, seria
suicidar-no:
trairmos a nossa morte
para num sol que jamais somos
nos consumirmos.

Publicações relacionadas

Brisa Brisa (Manuel Bandeira) Vamos viver no Nordeste, Anarina. Deixarei aqui meu...
Sentimentos carnais Sentimentos carnais (Augusto dos Anjos) Sentimentos carnais, esses que a...
Versos d’um Exilado Versos d’um Exilado (Augusto dos Anjos) Eu vou partir. Na límpida corrente R...
Glória Glória (Cruz e Souza) Florescimentos e florescimentos! Glória às estrelas, g...

Deixe uma resposta