O mais inebriante dos vícios

Print Friendly, PDF & Email

O mais inebriante dos vícios

(Robert Kurz)

Publicado em 28/09/97 no caderno Mais! da Folha de São Paulo.

O acionista será o único homem verdadeiro no jogo de dados do capitalismo-cassino

Quando arrebentará a bolha do dinheiro irregular?Há quase 15 anos floresce o capitalismo-cassino. A relação entre produção real e finanças inverteu-se. Não é mais o crescimento dos mercados de consumo e de bens de investimento que determina o crescimento dos mercados financeiros, mas justamente o contrário: a pujança tornada autônoma do capital especulativo dita a conjuntura de indústria e serviços. Enquanto a economia mundial cresce por volta de 2% a 3%, o curso das ações sobe de 10 a 20 vezes mais e isso numa progressão permanente.

É claro que já tínhamos notícia de ondas de especulação, mas jamais numa tal magnitude e durante um período tão extenso. A bolha especulativamente inflada do capital sem lastro real na economia sempre estourava depois de alguns anos, com um grande craque financeiro; a grotesca ”especulação das tulipas”, em 1634-37 na Holanda, terminou com um desastre semelhante ao da alta das ações no surto industrial da ”unificação alemã”, de 1870-73, e do boom especulativo dos ”roaring twenties”, de 1924-29, cuja ”sexta-feira negra”, marcada por uma queda vertiginosa das ações de Wall Street, desencadeou, como se sabe, a maior crise econômica mundial até então. Dessa vez, porém, o grande craque financeiro parece tardar a vir.

A quebra das bolsas, em 1987, foi tão incapaz de conter a alta global das ações quanto a contração do mercado de ações japonês em quase 50%, no início dos anos 90, e inúmeras ”miniquebras”, desde então. O crescimento do dinheiro superou em muito o crescimento industrial, sem que se seguisse, imediatamente, a pena da inflação. Essa constelação histórica única não se acha em nenhum manual. Uma alta ”eterna”, sem tendência inflacionária e com baixas taxas de juros, zomba de toda a lógica econômica, mas parece ter-se tornado realidade. Os analistas prudentes não se fiam nos novos mistérios promissores do capital financeiro. O próprio André Kostolany, ”decano” da especulação tão célebre quanto experiente, manteve-se de pé atrás.

Mas, em meio ao estouro de otimismo, os prudentes deixam de ser levados a sério. A duração excessiva da alta elimina qualquer escrúpulo teórico. Não é só nas principais bolsas dos Estados Unidos e da Europa que uma ”alta recorde” segue-se a outra. Desde meados dos anos 90, os índices das Bolsas de Nova York e Frankfurt duplicaram; o Dow Jones explodiu de 4.000 a quase 8.000 pontos, e o Dax, de 2.000 a mais de 4.000 pontos. Aumento igualmente vertiginoso foi aferido no patrimônio nominal dos acionistas. Uma sumidade como o administrador de fundos Heiko Thieme, ”entertainer” da grande festa que é a bolsa, já estima, para os próximos cem anos, um aumento deslumbrante de dinheiro: no abençoado ano de 2097, ele vê o Dow Jones atingir os 750 mil pontos, e o Dax, 400 mil pontos. Eufóricos, os cheiradores de cocaína do eminente capitalismo financeiro perdem todas as medidas: com a inesgotável cornucópia da máquina utópica de dinheiro, rejubilam eles, resolvem-se todos os problemas do futuro. As aposentadorias nos países industriais, por exemplo, que, em razão da pirâmide etária, ameaçam tornar-se inviáveis, não precisam mais ser alimentadas com as contribuições securitárias, descontadas a duras penas do salário, mas serão financiadas, com mais desafogo, pelos ganhos no curso das ações _obviamente, apenas em benefício daqueles que são capazes de investir em ações para sua previdência privada.

Mas, seja como for, o acionista será o único homem verdadeiro do século 21, ao passo que o restante da humanidade será transformado numa reles sombra estatística. A este ponto chega a aprazível ficção científica dos novos gurus, muitos dos quais já fizeram nome no mundo do comércio, embora mal tenham largado a fralda. A boa nova da redenção pelo cassino capitalista difundiu-se pelo mundo mais rápido do que a doutrina cristã. Na própria periferia do mercado mundial, no meio dos oceanos da pobreza, floresce a aposta com títulos. Apesar da quebra do México, o ”fresh money” continuou a afluir às bolsas latino-americanas. Mesmo onde _em termos de economia real_ não cresce mais grama, vicejam os ”mercados emergentes” do capitalismo financeiro, que são servidos por todo o mundo com fundos sequiosos do capital. Há muito, as próprias dívidas do Terceiro Mundo tornaram-se, na figura dos ”Brady bonds”, um objeto frívolo da comunidade internacional. No fim do mundo, em Ulan Bator, a Bolsa da Mongólia vende certificados surreais de privatização de uma economia improdutiva.Na Ucrânia, na Bulgária ou na Romênia, não raro títulos duvidosos são investidos com êxito em bancos de fundo de quintal igualmente duvidosos. Mesmo as bolsas oficiais do Leste Europeu têm altas astronômicas com fundos obscuros e levianos cupões de privatização, sem relação alguma com a capacidade industrial. Se a bolsa de Varsóvia, já em 1994, bateu o recorde mundial com a alta de mais de 1.300% no índice de suas ações, o índice de Moscou, por sua vez, no verão de 1997, apesar da queda livre do produto interno bruto, produziu um aumento de 180%.

Nada é impossível no próprio continente africano, assolado pela fome e pela guerra, uma bolsa surge atrás da outra. Numa reportagem sobre o mercado de títulos na Zâmbia, cuja ”ordem liberal seduz”, o jornal econômico alemão ”Handelsblatt” relatou, em agosto de 1997: ”A discreta entrada da Bolsa de Zâmbia, a Lusaka Stock Exchange (LuSE), acha-se, significativamente, entre uma loja de gravatas e um armarinho. Atrás de uma porta e uma escada, o visitante chega a um aposento com algumas mesas, uma máquina xerográfica e alguns computadores. Quem pergunta pelo pregão é olhado com espanto.Ora, o visitante se acha nele! Apesar da brevidade do espaço, não há razão para soberba. Em 1996, o movimento da LuSE aumentou quase dez vezes. Desde o início do ano, a capitalização do mercado mais que duplicou”.Seja no pólo Norte, seja no Equador, o jogo de risco com o dinheiro tornou-se um fascínio universal, embora em parâmetros totalmente diversos. E, além dos grandes fundos internacionais, soma-se ainda o restante da desmoralizada classe média, momentos antes que ela, como ”ultima ratio”, passe a vender café e cachorro-quente nas ruas.

Enquanto sobrarem alguns trocados, ela será lançada, com a mentalidade dos viciados em drogas, às fauces do pulsante capitalismo-cassino.No final do século 19, o ”rei das ferrovias”, Bethel Henry Strousberg, que logo após abriria falência, escreveu em suas memórias, a respeito do desvario especulativo depois de 1870: ”Meus próprios empregados, que, com os anos, haviam economizado alguns táleres, não se contiveram, apesar de minhas advertências. E, curiosamente, os mais pobres quase sempre tomavam parte nas empresas mais insolventes”.

Hoje, essa tolice tornou-se planetária. A esperança de sucesso no jogo transformou-se em espírito predominante da época. Mesmo os socialmente excluídos estão infectados. Quem não pode especular na bolsa toma parte em jogos de todo tipo. Não só em São Paulo pode-se notar como faxineiras e diaristas apostam o seu suado dinheiro em joguinhos de prestidigitação barata, do tipo ”cadê a bolinha?”. Em todo o mundo, a febre na loteria aumenta na mesma medida em que decresce a solidariedade.

A expressão ”febre” na bolsa e nas cabeças das massas, tomadas pela paixão da jogatina, revela, involuntariamente, que os corpos social e econômico da sociedade padecem de uma grave doença. Todos ainda capazes de pensamento lógico podem ver que o novo capitalismo financeiro não possui mais chão sob os pés. A longo prazo, será impossível que somente o ”trabalho”, como fator social, conviva sozinho com a crise, enquanto o capital segue intrépido em sua acumulação.Pois o que o capital pode acumular nada mais é, em última instância, que ”trabalho” transformado em dinheiro. Uma alta exagerada dos mercados de ações só se justifica, substancialmente, quando antecede um grande surto histórico da economia real. Quando o curso das ações na Alemanha, no início dos anos 50, decuplicou num breve espaço de tempo, essa expansão foi preenchida pelo ”milagre econômico” que logo se seguiu. Mesmo as grandes ondas históricas de especulação não careciam totalmente de fundamento real _as quebras financeiras só ocorreram quando a alta das ações antecipa-se em muito, de forma irreal, à expansão real.

Hoje, porém, uma grande expansão histórica da economia real desapareceu do horizonte. A economia mundial tem um nível de crescimento inferior a 3%, e o desemprego estrutural lança raízes profundas. Principalmente os países industriais, inclusive o Japão, acham-se, a longo prazo, à beira da estagnação. A globalização industrial e a fuga universal para as exportações paralisam, com as aquisições transnacionais, mais capacidade produtiva do que podem criar.É precisamente a escassa rentabilidade de investimentos complementares que faz afluir somas cada vez maiores de capital ao cassino do mercado financeiro. O capitalismo não pisou em ”terreno desconhecido”, como supõem economistas inseguros, mas, de um certo modo, atirou-se do andar mais alto de sua torre de Babel. A questão decisiva é por que ele ainda não se estatelou no chão duro dos fatos.

Essa demora é plenamente explicável. Um motivo relevante consiste em que o dinheiro, ao longo do século 20, perdeu a sua própria substância valorativa. Até a Primeira Guerra, todas as moedas eram lastreadas no ouro, que era o verdadeiro dinheiro mundial. Com esse vínculo no valor objetivo do dinheiro, criou-se uma espécie de ”freio automático” contra a ampliação sem limites do volume monetário no sistema financeiro.Toda bolha especulativa que ultrapassasse as perspectivas realistas do crescimento real não tardava, com isso, a ser estourada. As economias de guerra dos primeiros anos do século obrigaram os Estados, porém, a desvincular suas moedas do ouro, a fim de poder financiar os custos imensos da indústria bélica. Quando o ”deficit spending” estatal teve de guiar a conjuntura também nos tempos de paz, logo ficou claro que não podia mais haver volta para o ouro.Keynes, que legitimou teoricamente esse desenvolvimento, chamou-o de ”metal bárbaro”. Enquanto o dólar, como a nova moeda mundial, ainda era passível de conversão em ouro, o sistema financeiro global permaneceu lastreado, ao menos de forma indireta, no ouro. Porém desde que, em 1973, esse freio foi eliminado, não só o endividamento estatal, mas também a especulação, puderam desvincular-se da economia real, uma dimensão antes inconcebível.

Com isso, porém, não se elimina a lógica fundamental do sistema, que liga o crescimento do capital à substância do trabalho (produtor de capital). A queda da acumulação aparentemente autônoma de capital ocorre, justamente, de uma altura ainda maior (hoje quase que estratosférica) e com consequências tanto piores. O carrossel das bolsas só consegue girar enquanto afluir mais e mais liquidez. Tão logo caia o fluxo de liquidez adicional, sobrevém a grande quebra e evapora-se a cunhagem de moeda. A liquidez, no entanto, não pode ser ilimitada _fosse assim, o Estado emitiria dinheiro e o distribuiria entre seus cidadãos.De onde vem a gigantesca liquidez que alimenta, atualmente, os mercados acionários? No essencial, ela consiste do excedente histórico dos patrimônios monetários do período do ”milagre econômico” nos países ocidentais, após a Segunda Guerra Mundial. Avaliado pela dívida privada e estatal, este capital há muito estaria socialmente depreciado, mas, ao que tudo indica, trata-se da grandeza positiva de saldos reais. São as gerações de 30 a 50 anos, ofuscadas pelas altas da bolsa, que, como ”novos herdeiros” desse dinheiro, alteram as formas conservadoras de investimento de seus pais e avós (poupança, títulos públicos etc.) nos mercados de risco da especulação das ações.

Na Alemanha, só no primeiro semestre de 1997, os pequenos investidores foram responsáveis por mais de 15 bilhões de marcos em fundos de ações; segundo estimativas, o total subiria a 2 trilhões de marcos. Nos Estados Unidos, nos primeiros sete meses de 1997, afluíram quase US$ 140 bilhões para os fundos de ações. Estes são os mais importantes propulsores da bolha especulativa global, de Wall Street aos duvidosos balcões de aposta nos confins do mundo.Inconscientemente, os ”novos herdeiros” impelem, desse modo, o capital dos patrimônios privados para o forno, onde podem ser queimados com maior rapidez. Pois a depreciação dos títulos públicos e da poupança seria uma política temerária, ao passo que a depreciação de ações especulativas ocorre ”como por si mesma”, e ninguém poderá acusar o Estado por esse fato.Nos últimos 15 anos, os Estados buscaram, com uma política neoliberal, responder à crise emergente do sistema. Justamente por meio dessa política _uma combinação de medidas drásticas de contenção de despesas estatais, redução da taxa de juros e desregulamentação dos mercados financeiros_, eles acabaram por contribuir para a atual situação paradoxal e irregular.

Se, com a poupança permanente, a tendência estagnante e deflacionária da economia real foi fortalecida, a desregulamentação, por sua vez, abriu todas as comportas à especulação, que, com as baixas taxas de juros (em termos históricos) nos países industriais do Ocidente, ganhou novo impulso. Como a inflação é calculada apenas com base nos preços da economia real, ela parece ter repentinamente desaparecido. Na verdade, o potencial inflacionário está ”estacionado” nos mercados financeiros inflados como bolhas gigantes, e ali não se manifesta como um dado real.Os Estados não podem, todavia, repousar eternamente nas atuais taxas de juros. À medida que precisarem, com urgência, de mais ”fresh money”, eles próprios terão de subir os juros. Com isso, eles necessariamente entram em concorrência com os mercados acionários, a alavanca para o incremento da especulação com dinheiro barato se parte e o enorme volume de créditos podres não pode mais ser encoberto. É previsível, de resto, onde terá início o inevitável desastre, a saber, nas economias desencantadas do leste da Ásia. Quando, a começar por lá, o nível geral das taxas de juros for elevado, ruirá de cima a baixo o castelo de cartas global.

Publicações relacionadas

Entrevista com José Corrêa Lei... Entrevista Publicada em Teoria e Debate José Corrêa Leite O sen...
O curto verão de uma teoria do... O curto verão de uma teoria do século 20 (Robert Kurz) Publicado em 21/04/9...
Guerra dos lugares Guerra dos lugares Áreas inteiras do Brasil têm sido retiradas do ...
O eterno sexo frágil O eterno sexo frágil (Robert Kurz) Publicado em 09/01/00 no caderno Mais! da...

Deixe uma resposta